Ricardo Martins da Yamaha é o grande vencedor do Rally dos Sertões 2020

Escrito em 09/11/2020
Cesar Araujo


A 28ª. Edição do maior rally das Américas chega ao fim em Barreirinhas. Os campeões foram Ricardo Martins nas Motos, Denisio Casarini/Ivo Mayer nos UTVs

Um ano diferente pediu um Sertões diferente e teve campeões diferentes. Barreirinhas, no Maranhão, ponto final de uma aventura de 4.562km iniciada em Mogi Guaçu (SP) consagrou vencedores inéditos nos carros, motos e UTVs. E reservou emoção até os últimos quilômetros. O Rally da Solidariedade também cumpriu a sua missão de levar ajuda às comunidades carentes por onde passou, com a distribuição de 11.500 cestas básicas.

Nas duas rodas, Ricardo Martins (Yamaha WR 450F/IMS Yamaha) coroou um Sertões perfeito, com velocidade, concentração redobrada e nenhum erro. O catarinense soube assumir a condição de líder da equipe azul com a impossibilidade de participação do francês Adrien Metge, que apresentou diagnóstico positivo para Covid-19 na semana do início da prova. Julio Zavatti, o Bissinho (Honda CRF 450 RX), terminou em segundo.

A grande revelação foi o paulista Vítor Siqueira (KTM 450EXC/Dust Off-Road). Em sua primeira participação, não apenas venceu na categoria Maratona, que era o objetivo inicial, como ficou com o terceiro lugar geral, façanha digna de aplauso. A especial do dia foi encerrada no km 62 de 223 a pedido unânime dos pilotos em função do acidente sofrido por Tunico Maciel (Honda CRF 450RX/Honda Racing), que brigava pela vitória geral.

Nos UTVs, quem começou o dia na frente (Rodrigo Varela/Gunnar Dums) terminou na quinta posição depois da especial de 223km desenhada com muita areia, dunas e navegação. E quem era vice-líder foi para o alto do pódio, não sem antes passar por um grande susto. Na sétima participação, Deninho Casarini finalmente conseguiu concluir o desafio no topo do pódio com o Can-Am Maverick X3 da Casarini Racing. Ao lado do navegador Ivo Mayer, ele entrou para a seleta galeria dos campeões.


Foi um Sertões duro, muita chuva, condições diferentes, frio. Fiz um rally muito consistente, não errei navegação, não caí e andei num ritmo rápido a prova toda. Isso é fruto da preparação, acredito que colhi os frutos do que venho plantando há muito tempo. Feliz com a vitória, um peso a menos nas costas que eu mesmo me colocava e isso dá forças para continuar lutando e buscando mais. A saída do Adrien (Metge) abalou muito a equipe e me fez lutar mais ainda por um resultado importante para mim e para a marca. Tenho que agradecer também aos companheiros (Túlio Malta, Luciano Gomes), que o tempo todo trabalharam por mim. Ter um amigo machucado hoje apaga um pouco da felicidade, mas que Deus esteja com o Tunico e que ele fique bem.

Animal, foi só alegria. Não tive dificuldades com o equipamento, com a preparação da moto e a estrutura da equipe, não tenho do que reclamar. Como primeira experiência foi muito show, vou virar ralizeiro de vez e retornar está nos planos. O clima é ótimo entre os pilotos, equipes, o estafe da prova, as paisagens que atravessamos são lindas.

Chegamos a ter mais de 30 minutos de vantagem para o segundo colocado quando o Rodrigo quebrou e, aí, a gente acomodou, fomos num ritmo mais lento, acabamos seguindo uma direção errada e perdemos 20 minutos. Voltamos no meio do fluxo, tentando passar todo mundo do jeito que dava. Rally é isso, não existe a posição do conforto. A equipe foi mega dedicada, minha gratidão por todos eles, temos uma família, e essa foi a receita para a vitória. Vencer o Sertões é para poucos e fico muito feliz por ter conseguido. Não adianta só ser bom, rápido, o tamanho do investimento, é uma reunião de muitas coisas. De início eram 10 ou 12 candidatos à vitória, dia a dia eles foram caindo, até que hoje, na especial, éramos nós, e quase caímos também. Mas valeu ter acreditado até o último quilômetro.

Um dia muito maluco, infelizmente perdi a liderança em um ponto complicado da especial, gastamos mais de 40m minutos para reparar o carro e, ainda assim, terminamos entre os cinco primeiros. Claro que queria muito vencer, mas a prova como um todo foi muito legal, estamos em um ritmo muito forte e, agora, é trabalhar e ver se ano que vem temos um pouco mais de sorte.