Outras Modalidades

Final Rally Dakar 2018: dupla de brasileiros conquista o 1º lugar

Escrito em 20/01/2018
RED BULL CONTENT POOL

Créditos: RED BULL CONTENT POOL
Nasser Al-Attiyah fica com o segundo lugar no Rally Dakar 2018
Mas com dois lugares no pódio ainda a serem decididos, os jogadores entraram com tudo para ganhar, onde, no final, menos de um minuto separou as três primeiras posições desta etapa na linha de chegada. A vitória ficou com o campeão de 2009, o sul-africano Giniel de Villiers (Toyota), à frente do antigo campeão, o francês Stéphane Peterhansel (Peugeot) e o bicampeão catariano Nasser Al-Attiyah (Toyota). Isto fez com que o segundo e terceiro lugar na classificação geral pertencesse à Equipe Toyota Gazoo Racing.
Depois de quatro anos ao juntar a minha força com a da Peugeot para construirmos um carro dual drive vencedor, nós conseguimos, eu mereço esta vitória!



Os competidores cruzaram a linha de chegada na 40ª edição do Rally Dakar, pondo ao fim uma das corridas de rali mais difíceis do planeta. Na rodada final ao redor de Córdoba, na Argentina, os pilotos tiveram que cruzar muitos rios numa galopada de 120 km finais em terreno acidentado. O resultado foi impressionante.
 

SxS

Carregando a bandeira verde e amarela no pódio, a dupla Reinaldo Varela eGustavo Gugelmin levou o primeiro lugar na categoria mais recente do campeonato, a SxS. Com um tempo total de 72 h 44m e 06s - eles ficaram a quase uma hora à frente dos segundos colocados, a dupla Patrice Garrouste (França) e Steven Griener (Suíça).
 

Antigamente conhecida como UTV, a recém-rebatizada categoria de SxS é composta por veículos utilitários multitarefas - algo entre um carro e um quadriciclo. "É como se fosse um quadriciclo, tem a mesma sensação de liberdade, do vento na cara, só que com a sensibilidade, a segurança e o prazer de pilotar um carro”, explica o atual campeão Reinaldo Varela.

 


Motocicletas

Após Toby Price em 2016 e Sam Sunderland em 2017, neste ano tivemos outro novo vencedor na categoria motocicleta do Rally Dakar. O piloto da equipe Red Bull KTM Factory Team, Matthias Walkner, tornou-se o primeiro austríaco a vencer um Dakar. Depois de uma lesão grave em 2016 e um segundo lugar em 2017, nada mais justo do que a vitória neste ano para o austríaco que comandou seu caminho impecavelmente, desde o início da competição. Para a equipe KTM, trata-se de uma impressionante marca de 17 vitórias consecutivas no campeonato.

Desta vez eu tinha a sorte ao meu lado. Em 2016, após uma lesão grave, muita coisa mudou para mim. É tão legal estar de volta aqui.



Matthias Walkner

"É realmente muito, muito incrível. Eu nunca pensei que realmente poderia ganhar. O objetivo era me manter no pódio, mas foi por pouco neste ano e o décimo dia foi um dia-chave. Talvez a sorte estivesse do meu lado desta vez, mas é realmente um sonho se tornando realidade. Foi um Dakar muito louco. O nível de pilotagem foi muito alto. Havia outras cinco pessoas que poderiam ter ganho, mas parece que eu fui o sortudo. Eu com certeza tive um pouco de sorte. Eu acho que é preciso ter um pouco de sorte no Dakar. Às vezes você a tem e às vezes você não a tem. Desta vez eu tinha a sorte ao meu lado. Em 2016, após uma lesão grave, muita coisa mudou para mim. É tão legal estar de volta aqui".

Na rodada final, Kevin Benavides (Honda) esteve sob a pressão do imparável Toby Price (KTM), mas o argentino conseguiu ir fundo e angariar a vitória da rodada, além de um segundo lugar nas classificações gerais. Benavides se mostrou um competidor e tanto, até mesmo liderando a classificação geral em certo ponto da competição, hoje um dos mais bem cotados para a vitória do Dakar 2019.

Após retornar de uma super lesão em 2017, o terceiro lugar ficou para o australiano Toby Price, seguido pela estrela do enduro, Antoine Meo (KTM) na quarta colocação.

Laia Sanz

"Eu fico muito contente em terminar este Dakar que foi muito difícil. Eu também tive a ajuda de uma ótima equipe e de uma excelente motocicleta. Também gostaria de parabenizar a organização que montou um autêntico Dakar", afirmou a pilota.



Classificação geral - Motocicletas - Etapa 14

  • 1. K. Benavides (Honda) 01:26:41

  • 2. T. Price (KTM) at 00:00:54

  • 3. A. Meo (KTM) at 00:02:49

  • 8. M. Walkner (KTM) at 00:05:38

  • 11. L. Sanz (KTM) to 00:11:03


Quadriciclos

Foram poucas as surpresas na categoria de quadriciclos. Ignacio Casale(Yamaha) venceu a etapa e o campeonato Rally Dakar 2018! O piloto chileno se manteve inalcançável desde o começo, angariando nada mais nada menos do que cinco vitórias em etapas. Casale levou para casa sua segunda vitória no Dakar, depois daquela de 2014. Hoje, ele se une a Nelson AugustoSanabria Galeano (Yamaha) e Nicolás Cavigliasso (Yamaha), da Argentina. A colocação final da categoria quadriciclo ficou: Ignacio Casale, Nicolás Cavigliasso e Jeremías González (todos da Yamaha).

Menção mais do que honrosa ao 4º colocado, o brasileiro Marcelo Medeiros, que lutou com unhas e dentes por um lugar no pódio, completando esta enorme jornada em 58 h 17m e 04s.

Passei por acidentes e problemas mecânicos, mas nós conseguimos. É completamente insano

 



Ignacio Casale liderou o Dakar 2018 desde a 1ª etapa

"A corrida foi muito dura. Você tinha que pilotar com inteligência. Tudo foi bem para mim porque eu estava muito bem preparado. É uma emoção maravilhosa, porque é o resultado de muito trabalho e muito sacrifício. Eu nunca deixei de batalhar, batalhar e batalhar. Vencer este Dakar foi algo que me demandou muito, especialmente depois de quatro anos: passei por acidentes e problemas mecânicos, mas nós conseguimos. É completamente insano".

Classificação geral - Motos - Etapa 14

  1. I. Casale (Yamaha) 01:43:25

  2. N. Sanabria (Yamaha) to 00:01:21

  3. N. Cavigliasso (Yamaha) to 00:01:36


Carros

A competição foi feroz na categoria de carros: lar do WRC Rally Argentina, Córdoba já devia estar acostumada com o campeão Carlos Sainz. O espanhol entrou modesto para o jogo de hoje, arriscando-se pouco. Um nono lugar foi o suficiente para que eles completasse seu caminho em direção à vitória. Por haver saído prematuramente nas últimas três competições do Dakar por conta de acidentes, Sainz não poderia estar mais feliz ao ter entregue à sua Equipe Peugeot-Total a terceira vitória consecutiva do time.




Carlos Sainz

"Eu estou tão, tão feliz, depois de quatro anos ao juntar a minha força com a da Peugeot para construirmos um carro dual drive vencedor, nós conseguimos. Eles já tinham vencido duas vezes, mas eu acho que merecia esta vitória porque nos empenhamos muito com este carro. Eu tive altos e baixos, mas eu sempre tentei dar o meu melhor. Especialmente neste rali, que foi muito, muito difícil. No começo eu disse que ia pegar mais leve, mas a Peugeot me disse para ir com tudo, com pneu furado. Eu corri nos primeiros dias e realmente me esforcei, mas esta corrida também não permitia que cometêssemos erros. Eu não sei se estarei de volta no ano que vem. Agora eu quero aproveitar esta vitória, ir para casa, falar com a minha mulher, com a minha família e depois veremos. E também, a Peugeot não estará aqui ano que vem, então vamos ver".

Classificação geral - Carros - Etapa 14

  • 1. G. De Villiers (Toyota) 01:26:29

  • 2. S. Peterhansel (Peugeot) at 00:00:40

  • 3. N. Al-Attiyah (Toyota) at 00:00:43

  • 9. C. Sainz (Peugeot) to 00:03:19


Caminhões

Eduard Nikolaev levou para casa mais um título, após conquistar o Dakar no ano passado com a excelente equipe Kamaz. Trata-se de sua terceira vitória, a 14ª para a equipe. A vitória desta etapa ficou por conta do holandês Ton van Genugten (Iveco), um recorde pessoal de quatro vitórias em etapas. Logo atrás, Martin Macik (Liaz) da República Tcheca cruzou a linha de chegada, com Dmitry Sotnikov (Kamaz) em terceiro. Na classificação geral final, o pódio foi composto por Eduard Nikolaev, Shiarhei Viazovich (Maz) e Ayrat Mardeev (Kamaz).



Classificação geral - Caminhões - Etapa 14

  1. T. Van Genugten (Iveco) 01:39:47

  2. M. Macik (Liaz) at 00:00:11

  3. D. Sotnikov (Kamaz) at 00: 03.35