Prado e Vialle no topo do pódio no MXGP de Città di Faenza

Escrito em 09/09/2020
Cesar Araujo

A sétima etapa do Campeonato Mundial de Motocross FIM foi concluída aqui em Faenza para o MXGP de Città di Faenza, a segunda do trio de corridas que acontecem aqui na região de Emilia Romagna.

O Grande Prêmio em si viu a Red Bull KTM Factory Racing varrer os pódios em MXGP e MX2 com Jorge Prado e Tom Vialle vencendo nas categorias. Para Prado, este foi um momento especial, pois ele conquistou sua primeira vitória geral na carreira MXGP, durante sua temporada de estreia. Enquanto isso, seu companheiro de equipe conquistou sua primeira vitória em duas corridas da temporada na MX2.

Embora tenha sido um dia agridoce para a equipe KTM, um nome que faltou nas corridas era o líder do Campeonato MXGP, Jeffrey Herlings. O suporte da placa vermelha caiu durante os treinos livres esta manhã, caindo desajeitadamente no segundo salto e recebendo a maior parte do impacto na parte superior do corpo. Como resultado, o holandês ficou de fora do GP depois de ser levado ao hospital para mais exames por precaução.




Quando o portão caiu para a primeira corrida MXGP do dia, foi Jorge Prado quem conquistou o primeiro Fox Holeshot do dia. Ele foi seguido de perto por Mitch Evans da equipe HRC, Jeremy Seewer da Monster Energy Yamaha Factory Racing, Romain Febvre da Monster Energy Kawasaki Racing Team, Antonio Cairoli da Red Bull KTM Factory Racing e Tim Gajser da equipe HRC.

Evans estava parecendo impressionante enquanto tentava passar Prado pela liderança, embora Seewer estivesse se aproximando do piloto Honda e se tornando uma ameaça real na corrida.

Arminas Jasikonis da Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing estava entre um grupo de pilotos que caiu na primeira volta e ficou fora dos 20 primeiros nas primeiras voltas.

Na volta 3, Seewer já estava em segundo depois de passar Evans com sucesso. Depois veio Febvre, que também ultrapassou o australiano e subiu para o P3. Cairoli foi o próximo a ultrapassar Evans e então veio Gajser.

Algumas voltas depois, vimos uma mudança na liderança quando Seewer finalmente conseguiu encontrar uma maneira de passar Prado e passar para o P1.

Evans continuou a perder posições, já que Alessandro Lupino da Gebben Van Venrooy Yamaha Racing foi o próximo piloto a ultrapassar o piloto de fábrica, e depois veio Glenn Coldenhoff com a sua máquina Standing Construct GasGas Factory, empurrando Evans para 8º.

Enquanto Seewer aumentava a sua liderança para 3,2 segundos, Prado começava a ficar sob pressão de Febvre, com os três primeiros a manterem uma boa vantagem para Cairoli, que era quarto na altura.

A 3 voltas do final, Seewer já estava 6,6 segundos à frente, com Prado mais 6 segundos à frente de Febvre. Enquanto isso, Jasikonis subia em 10º depois de ultrapassar Clement Desalle da Monster Energy Kawasaki Racing.

A 2 voltas do fim, Evans foi atacado por Gautier Paulin, da Monster Energy Yamaha Factory Racing, que empurrou o piloto Honda para 9º.

No final, Seewer conquistou sua primeira vitória em MXGP, com Prado cruzando a linha em segundo e Febvre em terceiro.

A segunda corrida MXGP viu Prado e Cairoli na liderança, com Prado levando mais um Fox Holeshot. Entretanto, Seewer caiu em 14º depois de uma partida difícil, que o deixou com muito trabalho a fazer se quisesse lutar pelo pódio.

Prado então liderou o caminho enquanto Gajser se movia para P2 empurrando Cairoli para baixo. Então, não demorou muito para Gajser pegar Prado e começar a aplicar pressão pela liderança.

Entretanto, Seewer estava a trabalhar para recuperar as posições ao passar para a 7ª posição e ultrapassar Desalle. Ele lutou para passar Desalle por algum tempo, e até mesmo perdeu uma posição, já que Febvre também alcançou a dupla e conseguiu passar os dois.

Na volta 5, Gajser tornou-se o novo líder da corrida depois de ultrapassar Prado, com Cairoli em terceiro e Evans em outra sólida corrida em quarto, à frente de Coldenhoff e Febvre.

Jasikonis estava tendo um início de corrida muito melhor na segunda corrida de MXGP quando ele passou para o top 10 e alcançou Desalle, que ele ultrapassou na volta 6 para 8º na corrida.

Momentos depois, parecia que Prado estava lutando por sua primeira vitória em MXGP, já que apenas 0,7 segundos o mantinham longe de Gajser. E enquanto Gajser defendia a liderança do piloto da KTM, o seu companheiro de equipa começou a desafiar Cairoli, por quem ultrapassou. Evans então continuou a avançar, conseguindo até a volta mais rápida da corrida, o que nos deu esperanças de ver um HRC 1-2 na segunda bateria.

Conforme a corrida avançava, Seewer se viu no chão, embora não tenha perdido nenhuma posição.

Evans então pegou as costas de Prado, mas conforme a corrida avançava, ele começou a cometer alguns erros quando Cairoli engatou uma marcha e começou a ir atrás do australiano. Com apenas 2 voltas para o fim, Cairoli conseguiu ultrapassar Evans e terminar a corrida em 3º.

No final, foi Gajser quem venceu a primeira corrida aqui em Faenza, com Prado a terminar em segundo mais uma vez e Cairoli em terceiro, no seu 250º Grande Prémio!

Foi um momento especial para Jorge Prado, que conquistou a sua primeira vitória geral na MXGP, com Gajser a terminar em segundo e Seewer a subir ao primeiro degrau do pódio, apesar de terminar a corrida em 7º.

Em termos de campeonato, apesar de ter perdido o Grande Prémio, Herlings manteve-se na liderança do campeonato, com Cairoli a mais 22 pontos em segundo e Gajser a mais 4 pontos em terceiro.



Jorge Prado: Já um pódio na Letônia já foi uma grande conquista para mim depois de um início difícil de ano e agora conseguir essa vitória. Ganhar é tão difícil porque você tem que juntar duas boas corridas e duas boas largadas e esses caras estão dando duro. Em cada corrida você dá tudo até a última volta. Tive duas boas largadas, apenas dois erros em ambas as corridas que talvez me custem uma vitória. Ainda estou muito feliz porque a última corrida foi muito difícil, eu estava dando muito duro e realmente queria conseguir essa vitória, mas estou muito feliz.

Só fazer uma corrida de 35 minutos em uma pista como esta é difícil e lutar com esses caras até a última volta é ainda mais desafiador, esses caras estão empurrando a cada volta e você tem que ficar lá e se for um pouco mais lento eles passam por você em todos os lugares, se um passa por você, todos começam a passar por você. No domingo passado, passei muito, então, desta vez, tenho que ficar sobre duas rodas, mas dar tudo de mim e consegui a segunda posição para o primeiro da geral.


Tim Gajser:Estar de volta à frente é uma sensação boa. As últimas duas rodadas foram uma luta para mim com um pouco de azar e alguns erros, então hoje estou bastante satisfeito, primeiro de tudo eu tive um pouco de azar, mas de qualquer maneira eu fiz o meu melhor e terminei em 5º, na segunda eu ganhei então estou feliz.

Estava colocando muita pressão no início da temporada em relação ao campeonato, então agora só quero ir lá fora e me divertir, pedalar como sei e esse é o objetivo agora para o futuro


Jeremy Seewer: Em primeiro lugar, o dia começou muito bem. Na primeira corrida consegui uma boa largada, uma boa fluidez e consegui assumir a liderança e finalmente venci uma corrida. Foi muito bom estar no topo da classe MXGP. E então a segunda corrida começou horrível e eu não consigo nem explicar porque minha largada foi horrível, minha moto apenas caiu completamente no RPM e ficou parada, teve que passar pelo pacote e estava por volta do décimo quinto. Gerenciei muito bem, mas depois, Desalle é muito difícil de passar, fiquei preso atrás dele por algumas voltas. Joguei catch-up, comecei a pegar o primeiro grupo e depois tentei pegar o Romain e tive uma pequena queda. Foi isso, ainda no pódio e no geral ainda um dia positivo com uma vitória na corrida e com uma boa posição. Estou ansioso para o próximo.


MXGP - Grand Prix Race 1 – Top 10 Classification: 
1. Jeremy Seewer (SUI, Yamaha), 35:00.143;
2. Jorge Prado (ESP, KTM), +0:15.681;
3. Romain Febvre (FRA, Kawasaki), +0:34.451;
4. Antonio Cairoli (ITA, KTM), +0:36.731;
5. Tim Gajser (SLO, Honda), +0:40.143;
6. Glenn Coldenhoff (NED, GASGAS), +0:46.374;
7. Alessandro Lupino (ITA, Yamaha), +0:48.024;
8. Gautier Paulin (FRA, Yamaha), +0:49.952;
9. Mitchell Evans (AUS, Honda), +0:50.234;
10. Arminas Jasikonis (LTU, Husqvarna), +1:00.342.

MXGP - Grand Prix Race 2 – Top 10 Classification: 
1. Tim Gajser (SLO, Honda), 35:30.119;
2. Jorge Prado (ESP, KTM), +0:04.289;
3. Antonio Cairoli (ITA, KTM), +0:05.114;
4. Mitchell Evans (AUS, Honda), +0:07.098;
5. Glenn Coldenhoff (NED, GASGAS), +0:08.679;
6. Romain Febvre (FRA, Kawasaki), +0:13.530;
7. Jeremy Seewer (SUI, Yamaha), +0:14.697;
8. Arminas Jasikonis (LTU, Husqvarna), +0:39.999;
9. Clement Desalle (BEL, Kawasaki), +0:43.128;
10. Gautier Paulin (FRA, Yamaha), +0:48.777.

MXGP - Top 10 GP Classification: 
1. Jorge Prado (ESP, KTM), 44 points;
2. Tim Gajser (SLO, HON), 41 p.;
3. Jeremy Seewer (SUI, YAM), 39 p.;
4. Antonio Cairoli (ITA, KTM), 38 p.;
5. Romain Febvre (FRA, KAW), 35 p.;
6. Glenn Coldenhoff (NED, GAS), 31 p.;
7. Mitchell Evans (AUS, HON), 30 p.;
8. Arminas Jasikonis (LTU, HUS), 24 p.;
9. Gautier Paulin (FRA, YAM), 24 p.;
10. Alessandro Lupino (ITA, YAM), 23 p.

MXGP – Top 10 World Championship Classification: 
1. Jeffrey Herlings (NED, KTM), 263 points;
2. Antonio Cairoli (ITA, KTM), 241 p.;
3. Tim Gajser (SLO, HON), 237 p.;
4. Jeremy Seewer (SUI, YAM), 217 p.;
5. Arminas Jasikonis (LTU, HUS), 210 p.;
6. Glenn Coldenhoff (NED, GAS), 204 p.;
7. Jorge Prado (ESP, KTM), 197 p.;
8. Gautier Paulin (FRA, YAM), 179 p.;
9. Romain Febvre (FRA, KAW), 172 p.;
10. Clement Desalle (BEL, KAW), 168 p.
MXGP - Manufacturers Classification: 
1. KTM, 314 points;
2. Honda, 272 p.;
3. Yamaha, 256 p.;
4. Kawasaki, 237 p.;
5. GASGAS, 218 p.;
6. Husqvarna, 213 p.;



Na primeira corrida da MX2, foram Tom Vialle e Jago Geerts, da Monster Energy Yamaha Factory Racing, que saíram na frente no início da corrida. Embora tenha sido Vialle quem reivindicou o Fox Holeshot.

Enquanto os pilotos percorriam o circuito, alguns pilotos juntaram-se e envolveram Roan Van de Moosdijk da F&H Kawasaki Racing e Mikkel Haarup. Van de Moosdijk voltou à corrida, mas o seu companheiro de equipa não.

Mattia Guadagnini da Husqvarna Junior Racing Maddii teve uma largada fantástica e na primeira volta foi capaz de cair na liderança, enquanto Vialle, Geerts e Maxime Renaux da Yamaha SM Action M.C Migliori J1 Racing logo atrás. Embora com a Renaux a mudar-se para Geerts, a Yamaha de fábrica foi criticada pelo terceiro piloto da F&H Kawasaki Racing, Mathys Boisrame. Mas Geerts foi capaz de responder e se manter no quarto lugar.

Algumas voltas depois e Vialle começou a aproximar-se de Guadagnini, que estava a fazer uma excelente corrida na liderança, embora na volta cinco aquela diferença de 2,7 segundos estivesse a começar a diminuir e apenas uma volta depois Vialle era o novo líder da corrida.

Guadagnini foi, então, atacado por Renaux, que também tentou se defender de um forte ataque de Geerts. Geerts ultrapassou Renaux, mas a Yamaha SM Action M.C Migliori J1 Racing revidou imediatamente. A batalha pelo segundo lugar continua por mais algumas voltas, até que Renaux consegue finalmente ultrapassar Guadagnini. Geerts foi o próximo piloto a ultrapassar Guadagnini, passando para terceiro.

Na volta 10, o topo parecia assim: Vialle liderava Renaux e Geerts, com Guadagnini atrás sendo pego por Boisrame, assim como Thomas Kjer Olsen da Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing MX2.

Apenas uma volta depois e Vialle já estava na liderança com 5,108 segundos, enquanto Renaux fazia um excelente trabalho na defesa de Geerts e Boisrame começava a pressionar pelo 4º lugar. No final da volta, ele conseguiu fazer o passe.

Então Olsen juntou-se à diversão, ao pegar e ultrapassar Guadagnini na volta 12 e perseguir o # 172 de Boisrame. Embora na frente do campo Geerts foi apanhado nas costas de Renaux quando este começou a lutar por uma posição superior na corrida.

No final foi Vialle quem saiu vitorioso na primeira manga, com Renaux a defender com sucesso o 2º lugar e Geerts a terminar em 3º.

Na corrida 2 do MX2, Tom Vialle conseguiu mais um flyer para fora do portão e foi o primeiro líder da corrida. Jago Geerts e Maxime Renaux também estiveram presentes, já que Jed Beaton da Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing teve uma fantástica largada e foi 4º na corrida.

Boisrame então pegou as costas de Beaton, com Ruben Fernandez e Olsen da SDM Corse Yamaha lá também. Beaton conseguiu responder, aproximar-se de Renaux e passá-lo para o P3. Boisrame faz o mesmo e passa para 3º na 3ª volta.

Quando Boisrame subiu de posição, ele foi atrás de Geerts. Ele estabeleceu a volta mais rápida da corrida na volta 4 e estava cada vez mais perto do piloto de fábrica da Yamaha. Embora Boisrame empurrou Geerts, os dois rapidamente pegaram Vialle, que estava na frente por apenas 1,4 segundos.

O piloto da PAR Homes RFX Husqvarna Josh Gilbert estava a fazer uma boa corrida em 11º, à frente da Hitachi KTM movida por Milwaukee, Guadagnini e Alvin Ostlund da Honda Racing Assomotor.

Na 8ª volta, Renaux cai em 7º e é apanhado por Fernandez, enquanto o drama da frente com a queda de Geerts. Ele conseguiu se levantar em 13º para terminar a corrida em 9º lugar. Boisrame passou para 2º e Beaton foi 3º.

Vialle continuou a liderar por 5,9 segundos e estabelecendo seu melhor tempo de volta na segunda metade da corrida. Boisrame e Beaton também estavam lá, com Olsen e Watson se aproximando também.

A apenas algumas voltas do final da corrida, Boisrame cometeu um erro e caiu forte. Ele não voltou à corrida.

Nas duas últimas voltas da corrida Vialle já estava 11 segundos à frente do P2, com Beaton sendo atacado por seu companheiro de equipe, Olsen, que estava ansioso para obter um bom resultado. Embora no final Vialle fosse o vencedor, com Beaton se segurando no segundo lugar e Olsen terminando no P3.

Em termos de pódio, foi Vialle quem subiu ao degrau mais alto, com Renaux em segundo e Olsen a regressar ao pódio há muito aguardado em terceiro! Na classificação do campeonato, Vialle continua a liderar com 21 pontos, com Geerts em segundo e Renaux em terceiro.



Tom Vialle: Hoje foi um dia muito bom, estive muito focado o dia todo. De manhã eu estava pronto, mas não perfeito como no domingo. Na primeira corrida consegui o holeshot e passei o Mattia Guadagnini depois de algumas voltas, fiz o resto da corrida para vencer, então foi muito bom. A segunda corrida também foi um pouco difícil porque o Jago estava a pressionar-me e eu tentava manter a concentração e não cometer erros, os sulcos eram profundos mas estava a sentir-me muito bem. A primeira vez que ir 1-1 foi ótimo e estou muito feliz

Ainda faltam algumas corridas e é importante manter o foco, na verdade eu não olho muito para os outros caras, apenas tento me concentrar em mim mesmo, dar o meu melhor a cada corrida e não olhar tanto para o campeonato.


Maxime Renaux:A primeira corrida foi muito boa; Consegui fazer uma boa largada e depois passei para a segunda posição e tentei pegar o Tom, mas ele já estava na frente, não consegui. Depois, na segunda corrida, também comecei bem, mas depois não encontrei o ritmo da corrida e demorei algum tempo a arrancar e depois caí no topo da pista. Eu apenas tentei mantê-lo sobre duas rodas e não cair e consegui salvar a quarta posição para a segunda posição geral, então é um bom dia para mim


Thomas Kjer Olsen: Definitivamente, lutei durante todo o ano com lesões e voltando. Mas estou começando a ser capaz de pilotar sem dor e me sinto bem em geral porque posso me concentrar na corrida novamente. Só estou demorando um pouco para recuperar a intensidade da corrida, mas estou super feliz com este pódio porque esta manhã e mesmo da última vez eu senti que estava ficando cada vez melhor à medida que corria mais, mas não estava me sentindo realmente bom e hoje foi incrível. Assim como todo mundo tem dito que a segunda corrida foi super difícil, e eu estava apenas tentando andar de forma inteligente e não fazer nada estúpido e funcionou bem. Eu vi muitos caras caindo, então estou muito feliz com o pódio, estou feliz pela equipe e feliz por mim

MX2 - Grand Prix Race 1 – Top 10 Classification: 
1. Tom Vialle (FRA, KTM), 35:25.198;
2. Maxime Renaux (FRA, Yamaha), +0:02.327;
3. Jago Geerts (BEL, Yamaha), +0:04.570;
4. Thomas Kjer Olsen (DEN, Husqvarna), +0:21.659;
5. Mathys Boisrame (FRA, Kawasaki), +0:28.291;
6. Mattia Guadagnini (ITA, Husqvarna), +0:28.668;
7. Stephen Rubini (FRA, Honda), +0:36.988;
8. Ruben Fernandez (ESP, Yamaha), +0:38.234;
9. Ben Watson (GBR, Yamaha), +0:39.327;
10. Conrad Mewse (GBR, KTM), +0:51.162.

MX2 - Grand Prix Race 2 – Top 10 Classification: 
1. Tom Vialle (FRA, KTM), 34:23.246;
2. Jed Beaton (AUS, Husqvarna), +0:06.470;
3. Thomas Kjer Olsen (DEN, Husqvarna), +0:09.420;
4. Maxime Renaux (FRA, Yamaha), +0:29.500;
5. Stephen Rubini (FRA, Honda), +0:31.200;
6. Conrad Mewse (GBR, KTM), +0:32.208;
7. Ruben Fernandez (ESP, Yamaha), +0:37.841;
8. Mattia Guadagnini (ITA, Husqvarna), +0:42.166;
9. Jago Geerts (BEL, Yamaha), +0:47.968;
10. Jan Pancar (SLO, KTM), +0:49.582.

MX2 - GP Top 10 Classification: 
1. Tom Vialle (FRA, KTM), 50 points;
2. Maxime Renaux (FRA, YAM), 40 p.;
3. Thomas Kjer Olsen (DEN, HUS), 38 p.;
4. Jago Geerts (BEL, YAM), 32 p.;
5. Jed Beaton (AUS, HUS), 31 p.;
6. Stephen Rubini (FRA, HON), 30 p.;
7. Mattia Guadagnini (ITA, HUS), 28 p.;
8. Ruben Fernandez (ESP, YAM), 27 p.;
9. Conrad Mewse (GBR, KTM), 26 p.;
10. Ben Watson (GBR, YAM), 22 p.

MX2 - World Championship Top 10 Classification: 
1. Tom Vialle (FRA, KTM), 307 points;
2. Jago Geerts (BEL, YAM), 286 p.;
3. Maxime Renaux (FRA, YAM), 236 p.;
4. Jed Beaton (AUS, HUS), 209 p.;
5. Mathys Boisrame (FRA, KAW), 182 p.;
6. Roan Van De Moosdijk (NED, KAW), 177 p.;
7. Ben Watson (GBR, YAM), 161 p.;
8. Thomas Kjer Olsen (DEN, HUS), 153 p.;
9. Conrad Mewse (GBR, KTM), 141 p.;
10. Ruben Fernandez (ESP, YAM), 130 p.

​MX2 - Manufacturers Classification: 
1. Yamaha, 320 points;
2. KTM, 310 p.;
3. Kawasaki, 249 p.;
4. Husqvarna, 231 p.;
5. Honda, 155 p.;
​6. GASGAS, 81 p.