MXSX Internacionais

Uma vitória de Herlings e Geerts conclui o MXGP de Kegums na Letônia!

Escrito em 17/08/2020
Cesar Araujo

KEGUMS (Letônia) 16 de agosto de 2020 - O MXGP de Kegums viu a terceira e última corridas do Grande Prêmio da Letônia em 2020, que mais uma vez nos proporcionou uma ação incrível do início ao fim.

O trio de corridas da Letônia deu as boas-vindas ao Campeonato Mundial de Motocross FIM após uma longa espera de cinco meses, e com as corridas concluídas aqui em Kegums, que também encerrou o tempo da MXGP no país Báltico para a temporada de 2020.

A corrida de hoje foi mais uma vez difícil de prever, com uma linha realmente forte de contendores, todos buscando sua chance de subir ao pódio. Embora no final tenha sido Jeffrey Herlings, da Red Bull KTM Factory Racing, quem finalmente conquistou a vitória geral na Letônia, enquanto Jago Geerts, da Monster Energy Yamaha Factory Racing, selou uma vitória consecutiva, deixando Kegums com dois grandes troféus para levar para casa para a Bélgica.




Quando o portão caiu para a corrida de abertura do dia no MXGP, foi Ivo Monticelli, do Standing Construct GasGas MXGP, quem conquistou seu segundo FOX Holeshot da temporada. O piloto da Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing Arminas Jasikonis, bem como Tim Gajser da equipe HRC também estavam lá entre os três primeiros, com Gajser rapidamente assumindo a liderança.

Mais uma vez, azar para Jeffrey Herlings, da Red Bull KTM Factory Racing, que foi pressionado na reta de largada e teve que escolher alguns pilotos para voltar à disputa pela vitória da corrida.

Além disso, a largada também teve mais drama, com Arnaud Tonus, da Monster Energy Yamaha Factory Racing, e Antonio Cairoli, da Red Bull KTM Factory Racing, caindo na primeira curva.

As coisas não estavam parecendo muito melhores para Jeremy Seewer da Monster Energy Yamaha Factory Racing, que caiu muito na curva três. Apesar de parecer com dor, ele conseguiu voltar à sua Yamaha de fábrica e dar mais algumas voltas, antes de eventualmente abandonar a corrida.

Gajser foi o líder da corrida, com Monticelli em segundo e Jorge Prado, da Red Bull KTM Factory Racing, em terceiro, à frente de Jasikonis. Entretanto, Herlings sobe para 7º depois de uma boa recuperação na primeira volta.

Jasikonis então começou a se aproximar de Prado enquanto ele perseguia o segundo lugar, enquanto Herlings também procurava subir na corrida ao passar Clement Desalle da Monster Energy Kawasaki MXGP, embora Desalle tenha disparado direto para trás, tornando difícil para a bala chegar à frente e pegue os líderes.

Herlings então se viu em uma batalha com Monticelli pelo quarto lugar, com Monticelli fazendo um ótimo trabalho protegendo sua posição, enquanto Herlings lutou por seis voltas inteiras antes de ultrapassar o piloto GasGas.

Quando Herlings ultrapassou Monticelli, Jasikonis também conseguiu passar Prado para o segundo lugar. Embora Herlings subisse para o quarto lugar, Prado estava muito à frente dele.

A dois minutos e duas voltas do fim, Gajser continuou na liderança, com Jasikonis em segundo e Prado em terceiro. Enquanto isso, Herlings estava 32 segundos atrás do líder, então uma vitória na corrida parecia improvável.

No final, Gajser venceu a corrida de abertura, Jasikonis terminou em segundo, Prado em terceiro, Herlings em quarto e Romain Febvre da Monster Energy Kawasaki MXGP entre os cinco primeiros.

Na segunda corrida, desta vez foi Tim Gajser com o FOX Holeshot enquanto liderava o grupo na primeira curva no pitlane. Herlings estava tendo um início de corrida muito melhor e estava no encalço de Gajser desde o início, já que Prado e Cairoli também seguiram os dois líderes.

Herlings não perdeu tempo na segunda corrida, pois rapidamente avançou sobre Gajser e se tornou o novo líder da corrida.

Enquanto Cairoli pressionava seu companheiro de equipe na KTM, ele também estava sendo atacado por Febvre e Jasikonis. Embora ele tenha conseguido alcançar Prado, os dois travaram uma batalha bastante intensa, que viu o bloco de Prado ultrapassar Cairoli e o bloco de Cairoli ultrapassá-lo. Após várias tentativas, Cairoli finalmente passou o novato MXGP, Prado, e passou para o terceiro lugar.

Gajser então começou a alcançar o # 84 de Herlings, embora algo tenha acontecido com o piloto Honda e ele tenha caído, permitindo a Cairoli passar para segundo.

Entretanto Jasikonis deu alguns passes rápidos sobre Prado e Febvre e subiu em quarto, com a sua energia concentrada em apanhar Gajser na frente. Ele, então, passou Gajser para passar para o terceiro lugar, embora Gajser não fosse deixar o lituano fugir.

Quando ele começou a pegar o lituano alto, sua moto parou repentinamente, forçando o campeão mundial em título a sair da segunda corrida devido a um problema elétrico.

No final foi Herlings com a vitória da corrida, seguido por Cairoli que terminou bem em segundo, com Jasikonis cruzando a meta em terceiro lugar.

No geral, foi Jeffrey Herlings quem finalmente conquistou uma vitória no Grande Prêmio da Letônia, com Jasikonis alcançando um marco na carreira com o segundo lugar na classificação geral, e Prado também alcançando seu primeiro pódio MXGP de sua temporada de estreia!

Tal como está, Herlings continua a liderar o Campeonato do Mundo MXGP, com Gajser a mais 46 pontos, com Jasikonis a juntar-se à terceira posição, a apenas quatro pontos do piloto de fábrica da Honda.



Jeffrey Herlings: “A primeira corrida foi difícil. Não tive um bom salto, estava com quinze anos e estava lutando com a bomba de braço, a pilotagem simplesmente não estava boa. A pista estava realmente incompleta nas últimas três corridas com muitos solavancos quadrados. Sei que vai ser uma longa série, tive muitas lesões no passado e tento estar em todas as corridas, talvez não ser dominante, mas tento estar lá e ser consistente, até agora tem realmente funcionado Fora. Não ganhei muito, porque quando cheguei tinha 4-4, 3-3 e 4-1, mas tenho sido o mais consistente nas corridas e tem dado frutos no campeonato. Indo para a próxima corrida, definitivamente terei que trabalhar um pouco, tentar trabalhar um pouco mais nas largadas, trabalhar em mim mesmo e tentar obter um pouco mais de velocidade e confiança. Mas estou feliz por terminar esta viagem à Letônia desta forma ”.

 



Arminas Jasikonis: “Melhoramos a cada dia de corrida, com uma semana completa de corrida; a primeira corrida no domingo passado foi boa, quer dizer, poderia ser melhor, mas depois na quarta-feira melhorou e agora finalmente conseguimos o segundo pódio, acho que um ponto da vitória geral, mas no geral melhoramos muito e sabemos onde precisamos trabalhar mais para ficar ainda melhor. Sabemos que estamos no caminho certo e agradecemos a toda a equipe por acreditar tanto em mim. Muitas vezes tivemos azar, mas nunca desistimos e aqui estamos, temos de ter calma e trabalhar muito e estar melhor para as próximas corridas ”.



Jorge Prado: “Às vezes você ganha, e isso não significa tanto quanto talvez este terceiro lugar signifique para mim. Tive uma rodada muito difícil para chegar aqui com lesões. Mas todo o trabalho duro compensa. Tenho trabalhado muito e colocado meu máximo esforço em cada treinamento ... e você conhece um pódio na classe MXGP, quero dizer, é a classe superior do esporte e não é fácil, nem tantos pilotos podem dizer que têm subi ao pódio, por isso temos de apreciar cada resultado, por isso estou muito feliz ”.

 



MXGP - Grand Prix Race 2 – Top 10 Classification: 
1. Jeffrey Herlings (NED, KTM), 35:26.803;
2. Antonio Cairoli (ITA, KTM), +0:07.898;
3. Arminas Jasikonis (LTU, Husqvarna), +0:12.060;
4. Jorge Prado (ESP, KTM), +0:23.368;
5. Romain Febvre (FRA, Kawasaki), +0:27.988;
6. Glenn Coldenhoff (NED, GASGAS), +0:31.572;
7. Jeremy Seewer (SUI, Yamaha), +0:39.249;
8. Gautier Paulin (FRA, Yamaha), +0:49.115;
9. Mitchell Evans (AUS, Honda), +0:57.135;
10. Jeremy Van Horebeek (BEL, Honda), +1:03.116.

MXGP – Overall Top 10 Classification: 
1. Jeffrey Herlings (NED, KTM), 43 points;
2. Arminas Jasikonis (LTU, HUS), 42 p.;
3. Jorge Prado (ESP, KTM), 38 p.;
4. Antonio Cairoli (ITA, KTM), 34 p.;
5. Romain Febvre (FRA, KAW), 32 p.;
6. Glenn Coldenhoff (NED, GAS), 29 p.;
7. Gautier Paulin (FRA, YAM), 28 p.;
8. Tim Gajser (SLO, HON), 25 p.;
9. Jeremy Van Horebeek (BEL, HON), 22 p.;
10. Mitchell Evans (AUS, HON), 21 p.

MXGP – Championship Top 10 Classification: 
1. Jeffrey Herlings (NED, KTM), 213 points;
2. Tim Gajser (SLO, HON), 167 p.;
3. Arminas Jasikonis (LTU, HUS), 163 p.;
4. Antonio Cairoli (ITA, KTM), 163 p.;
5. Glenn Coldenhoff (NED, GAS), 146 p.;
6. Jeremy Seewer (SUI, YAM), 134 p.;
7. Clement Desalle (BEL, KAW), 131 p.;
8. Gautier Paulin (FRA, YAM), 129 p.;
9. Jorge Prado (ESP, KTM), 120 p.;
10. Romain Febvre (FRA, KAW), 104 p.

MXGP – Manufacturers: 
1. KTM, 220 points;
2. Honda, 202 p.;
3. Yamaha, 173 p.;
4. Kawasaki, 169 p.;
5. Husqvarna, 166 p.;
​6. GASGAS, 160 p.;




Na corrida um da MX2, foi Ben Watson, da Monster Energy Yamaha Factory Racing, que puxou a FOX Holeshot na corrida e foi seguido de perto por Tom Vialle da Red Bull KTM Factory Racing, Mathys Boisrame da F&H Kawasaki Racing e Maxime Renaux da SM MC Migliori - J1 Racing.

Jago Geerts da Monster Energy Yamaha Factory Racing e Roan Van de Moosdijk da F&H Kawasaki Racing também não ficaram muito atrás dos três primeiros na primeira volta.

Renaux desceu do terceiro lugar e foi diminuindo a ordem, enquanto Geerts começou a aproximar-se de Van de Moosdijk, para depois ir atrás do seu companheiro de equipa que estava em segundo.

Mikkel Haarup da F&H Kawasaki Racing teve outra corrida difícil quando o vimos cair nos primeiros estágios fora do oitavo lugar e estava se mostrando em 30º.

A Hitachi KTM impulsionada pelo piloto de Milwaukee Conrad Mewse também tinha um excelente piloto no quinto lugar, que manteve até a bandeira quadriculada cair na volta 17.

Na volta 4, Geerts ultrapassou Watson para o 2º lugar, enquanto Vialle continuou a liderar a corrida com uma diferença de 5 segundos sobre P2.

O segundo Hitachi KTM alimentado pelo piloto de Milawaukee Bas Vaessen também teve uma pilotagem difícil, pois caiu de 18º, o que foi lamentável para ele, pois já estava lutando com uma dor nas costas.

Apesar de estar na frente era Vialle quem liderava a corrida, com Geerts a aproximar-se lentamente do piloto da KTM, com Watson a conseguir manter uma vantagem constante sobre Van de Moosdijk, que o seguia em 4º lugar.

Duas voltas para o fim e Geerts carregou para a vitória da corrida, embora ao se aproximar de Vialle, os retardatários começaram a desempenhar um papel, com o piloto de fábrica da Yamaha eventualmente caindo depois de colidir com um, embora felizmente ainda tenha conseguido permanecer em segundo que é exatamente onde ele terminou a corrida, com Watson em terceiro.

A 2ª corrida de MX2 viu outra máquina Monster Energy Yamaha Factory na frente, mas desta vez foi Jago Geerts. Mewse teve outro começo forte, seguido por Simon Laegenfelder da Diga Procross GasGas Factory Juniors e Vialle também.

Geerts então continua a liderar Mewse com Vialle alcançando a posição # 426 e aplicando pressão para o segundo lugar. Vialle então passou para a segunda posição e voltou sua atenção para o líder da corrida.

Enquanto isso, Watson desce em 7º, na frente de Renaux e Moosdijk, com os três a tentarem passar para P7.

Enquanto Vialle pressionava para pegar Geerts, ele cometeu um erro e quase o perdeu, embora tenha conseguido se segurar. Van de Moosdijk tentou então aproximar-se de Renaux para o 5º lugar e foi aí que começou a batalha entre os dois.

Embora Renaux recuperou o fôlego e começou a fechar o Jed Beaton da Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing. Ambos os pilotos então pegaram Mewse, com o britânico tendo que lutar muito para mantê-los atrás de si. Por fim, Renaux conseguiu passar para o 3º lugar quando Nathan Crawford da Honda 114 Motorsports foi visto caminhando de volta para os boxes e estava fora da corrida 2.

Com Van de Moosdijk a conseguir um bom impulso na secção das ondas, passando Renaux pelo 3º lugar, Beaton também perdeu uma posição para Watson, que subiu para a 6ª posição.

3 voltas para o final e o pitboard de Vialle dizia "feche a lacuna" enquanto ele lutava pela vitória da segunda corrida, embora no final ele não tenha conseguido e foi Geerts quem cruzou a linha primeiro.

Vialle foi segundo, com Van de Moosdijk terceiro, seguido por Renaux e Watson que terminaram entre os cinco primeiros.

No geral, foi Jago Geerts quem conquistou uma vitória consecutiva na Letônia, com Tom Vialle conseguindo um segundo lugar na geral e Roan Van de Moosdijk em terceiro! Na classificação do campeonato, o Vialle continua a liderar o campeonato com 217 pontos, com Geerts a mais 8 e Van de Moosdijk com 153 pontos.

Infelizmente, hoje não vimos Thomas Kjer Olsen, da Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing, devido à lesão no ombro, o que coloca em perigo a luta pelo campeonato.



Jago Geerts: “Foi um bom dia para mim. Na primeira corrida não tive a melhor largada, mas depois consegui dar muitos passes, depois de 10 minutos acho que estava em segundo e no final estava me aproximando do Tom, mas na última volta Eu queria tentar fazer um último movimento, mas depois bati com um lapper. Ainda em segundo. Então, na segunda corrida, peguei o holeshot e rodei um ritmo muito bom durante toda a corrida e eu poderia ganhar, então fiquei muito feliz com isso. É minha terceira vitória no GP, então foi um bom dia ”.​



Tom Vialle: “Foi muito melhor do que no outro dia. Nos treinos já me sentia muito bem e na primeira corrida liderei toda a corrida e fiquei muito feliz por ter vencido. O segundo também foi muito próximo do Jago. Então, 3 voltas antes do final, perdi um pouco de tempo com um lapper e depois foi muito difícil, mas não, estou realmente muito feliz por não ter perdido nenhum ponto hoje, então é muito bom para o campeonato ”.



Roan Van de Moosdijk: “A Letônia tem sido ótima para mim. Três pódios consecutivos. Mas hoje foi difícil, duas largadas ruins, mas na primeira corrida eu não consegui entrar no ritmo, então fiquei em quarto lugar. Na segunda corrida larguei fora dos 10 primeiros, talvez até dos 15, e fiquei muito contente com a minha pilotagem, por isso só quero continuar assim, ter este ímpeto e ansioso pela próxima corrida ”.



MX2 - Grand Prix Race 1 – Top 10 Classification: 
1. Tom Vialle (FRA, KTM), 35:38.327;
2. Jago Geerts (BEL, Yamaha), +0:24.000;
3. Ben Watson (GBR, Yamaha), +0:26.607;
4. Roan Van De Moosdijk (NED, Kawasaki), +0:46.884;
5. Conrad Mewse (GBR, KTM), +0:54.222;
6. Maxime Renaux (FRA, Yamaha), +1:01.541;
7. Alberto Forato (ITA, Husqvarna), +1:09.778;
8. Alvin Östlund (SWE, Honda), +1:16.546;
9. Nathan Crawford (AUS, Honda), +1:18.402;
10. Ruben Fernandez (ESP, Yamaha), +1:18.946.


MX2 - Grand Prix Race 2 – Top 10 Classification: 
1. Jago Geerts (BEL, Yamaha), 35:50.720;
2. Tom Vialle (FRA, KTM), +0:17.633;
3. Roan Van De Moosdijk (NED, Kawasaki), +0:28.173;
4. Maxime Renaux (FRA, Yamaha), +0:30.025;
5. Ben Watson (GBR, Yamaha), +0:31.000;
6. Jed Beaton (AUS, Husqvarna), +0:41.847;
7. Conrad Mewse (GBR, KTM), +0:56.591;
8. Ruben Fernandez (ESP, Yamaha), +1:02.988;
9. Mathys Boisrame (FRA, Kawasaki), +1:35.063;
10. Alvin Östlund (SWE, Honda), +1:38.768.

MX2 – Overall Top 10 Classification: 
1. Jago Geerts (BEL, YAM), 47 points;
2. Tom Vialle (FRA, KTM), 47 p.;
3. Roan Van De Moosdijk (NED, KAW), 38 p.;
4. Ben Watson (GBR, YAM), 36 p.;
5. Maxime Renaux (FRA, YAM), 33 p.;
6. Conrad Mewse (GBR, KTM), 30 p.;
7. Jed Beaton (AUS, HUS), 25 p.;
8. Ruben Fernandez (ESP, YAM), 24 p.;
9. Alvin Östlund (SWE, HON), 24 p.;
10. Mathys Boisrame (FRA, KAW), 18 p.

MX2 – Championship Top 10 Classification: 
1. Tom Vialle (FRA, KTM), 217 points;
2. Jago Geerts (BEL, YAM), 209 p.;
3. Roan Van De Moosdijk (NED, KAW), 153 p.;
4. Maxime Renaux (FRA, YAM), 149 p.;
5. Jed Beaton (AUS, HUS), 148 p.;
6. Mathys Boisrame (FRA, KAW), 128 p.;
7. Ben Watson (GBR, YAM), 127 p.;
8. Mikkel Haarup (DEN, KAW), 101 p.;
9. Conrad Mewse (GBR, KTM), 95 p.;
10. Ruben Fernandez (ESP, YAM), 92 p.

MX2 Manufacturers: 
1. Yamaha, 230 points;
2. KTM, 220 p.;
3. Kawasaki, 187 p.;
4. Husqvarna, 161 p.;
5. Honda, 101 p.;
​6. GASGAS, 67 p.