Gajser e Vialle dominam o pódio no Monster Energy MXGP de Flandres

Escrito em 21/10/2020
Cesar Araujo

O Monster Energy MXGP de Flandres nos presenteou com uma ação épica hoje, quando os pilotos MXGP e MX2 assumiram o desafio, no que é conhecido como uma das pistas de areia mais difíceis do mundo.

As corridas de hoje foram épicas, pois adicionamos alguns novos vencedores em MXGP e MX2, como Gautier Paulin e Ben Watson da equipe Monster Energy Yamaha Factory Racing MXGP e MX2, vencendo cada corrida em suas respectivas classes.

No entanto, foi Tim Gajser, da equipe HRC, que conquistou a segunda vitória consecutiva aqui em Lommel, com um resultado de 2 a 1 que o colocou no topo da caixa. Enquanto estava na MX2, Tom Vialle da Red Bull KTM Factory Racing teve um dia sólido para terminar em 2 a 2 nas corridas e garantir sua sexta vitória geral na campanha de 2020.




Na corrida MXGP de abertura do dia, foi Dylan Walsh da JM Honda Racing quem agarrou o Fox Holeshot, liderando Gajser, Arnaud Tonus e Gautier Paulin da Monster Energy Yamaha Factory Racing.

Alguns pilotos sofreram uma queda na primeira curva, dois deles sendo Adam Sterry da Hitachi KTM Fueled by Milwaukee e Calvin Vlaanderen da Gebben Van Venrooy Yamaha Racing.

Não demorou muito para que Gajser assumisse a liderança, pois Walsh caiu, Prado e Paulin também seguiram em frente e foram os três primeiros nas voltas seguintes. Brian Bogers, da Marchetti Racing Team KTM, teve um ótimo início de corrida, pois estava em quarto lugar. Esta foi também a posição em que ele terminou a corrida.

Romain Febvre, da Monster Energy Kawasaki Racing Team, e Jeremy Seewer, da Monster Energy Yamaha Factory Racing, não tiveram a melhor partida para a corrida, já que caíram em 16º e 17º nas primeiras voltas. Embora Seewer tenha conseguido se recuperar rapidamente, ao passar por 6 pilotos em uma única volta para se colocar entre os 10 primeiros.

Paulin então foi atrás do # 61 de Prado e conseguiu ultrapassá-lo na segunda volta, para entrar no P2. O francês fez então a sua melhor volta da corrida e ficou a 2.808 segundos atrás de Gajser, que liderou. Mas Gajser foi rápido em responder com uma volta rápida, o que colocou a diferença de volta para 4.383.

O rival do campeonato, Antonio Cairoli, da Red Bull KTM Factory Racing, teve uma primeira corrida difícil depois de largar fora do top 15. Ele conseguiu terminar a corrida em 13º, não onde o 9 vezes campeão mundial esperava estar.

Paulin, Prado e Bogers registraram suas melhores voltas da corrida ao mesmo tempo, com Paulin reduzindo a diferença para 2.386. Mais adiante no campo, Seewer pressionava Jeremy Van Horebeek da Honda SR Motoblouz para a P6. A dupla alcançou Tonus, quando Seewer ultrapassou os dois pilotos dentro de algumas voltas.

Na volta 11, vimos uma mudança na liderança, com Gajser caindo do primeiro lugar, o que permitiu a Paulin aproveitar a oportunidade para ir atrás de sua primeira vitória desde Valkenswaard 2017.

Seewer foi o próximo piloto a cair, já que perdeu os dois lugares que trabalhou muito para ganhar, para Van Horebeek e Tonus. E apesar dos seus melhores esforços, teve um pequeno problema com a moto, que teve de parar para consertar, que também lhe perdeu mais 2 lugares e acabou por terminar a corrida em 8º.

No final, foi Paulin quem conquistou a primeira vitória aqui em Lommel, enquanto Gajser terminou em segundo e Prado em terceiro.

Entrando nas corridas de hoje, Glenn Coldenhoff da Standing Construct GasGas Factory MXGP estava entre os favoritos para o pódio. Infelizmente, o holandês não se alinhou para as corridas, já que uma queda na sessão de treinos cronometrados do MXGP o tirou da ação de hoje.

Quando o portão caiu para a segunda corrida MXGP do dia, foi Prado quem agarrou o Fox Holeshot, com Gajser, Seewer, Tonus e Bogers logo atrás dele. Gajser então começou a ir atrás de Prado para a primeira posição, já que apenas 0,5 segundo separava a dupla, e ele conseguiu fazer a passagem stick na segunda volta, pois Prado cometeu um erro.

Seewer então começou a ser pressionado por Bogers, que estava ansioso para fazer um bom desempenho. Cairoli também teve um início de corrida muito melhor, pois estava em 7º, atrás de Paulin.

Gajser então continuou a liderar enquanto gradualmente aumentava sua liderança, enquanto Seewer começou a alcançar Prado, quando Febvre também se juntou à batalha.

Bogers então caiu na 5ª posição, o que permitiu a passagem de Paulin e Cairoli, enquanto os dois continuavam sua longa batalha.

A 6 minutos e mais 2 voltas do fim, Seewer e Prado travavam uma batalha acirrada. A dupla fez contato em uma das curvas, depois de Prado perder um pouco de terreno, o que também viu o espanhol cair na sequência. Febvre também se beneficiou com isso, pois Prado voltou em 4º.

3 voltas para o fim e Gajser tinha uma vantagem confortável de 10,447 segundos para Seewer, que cometeu um erro na última volta e saiu do circuito. Como resultado, ele perdeu uma posição para Febvre.

No final, foi Gajser quem saiu vitorioso, com Febvre a cruzar a meta em segundo e Seewer a segurar em terceiro.

Em termos de pódio, foi Gajser quem subiu ao degrau mais alto do pódio e conquistou a segunda vitória consecutiva em Lommel. Gautier Paulin terminou em segundo na geral, para sua primeira aparição no pódio em 2020 e Prado ocupou a etapa final.

Depois das corridas de hoje, Gajser dobrou sua liderança no campeonato de 24 para 48 pontos sobre Cairoli, já que Prado e Seewer têm 429 pontos e estão em terceiro e quarto lugar na classificação, indo para a 14ª rodada.



Tim Gajser: Desde o início senti-me muito bem com a moto e também na pista. Na primeira corrida fiz uma boa largada, fiquei em segundo e consegui pegar o líder e ultrapassá-lo. Consegui abrir um pequeno espaço e seguir em frente, mas cometi um erro e perdi a frente. Eu bati, foi quando Gautier passou por mim. Na segunda corrida a largada não foi tão boa, mas depois da primeira curva consegui passar em segundo e depois passar Prado, abrir uma pequena folga e seguir em frente com a vitória da corrida, então estou super feliz por hoje


Gautier Paulin: “Já faz um tempo, mas estou muito feliz por estar de volta ao pódio por mim, por minha equipe e por minha família e, como você disse, já faz muito tempo que não ganhei minha última vitória. Na primeira corrida dei muito empenho porque queria esta vitória e encontrei o bom ritmo. Tem sido muito difícil porque você sabe que no início de maio eu quebrei minha coluna e agora, estar de volta a este nível é ... Quando eu estava na cama do hospital eu estava com muito medo. Na Letônia, machuquei minha mão e mais uma vez em Faenza tive uma queda muito forte, então agora estou muito feliz por estar de volta


Jorge Prado: “Tem sido difícil. A pista foi dura, mas é bom habituar-nos a estas condições porque teremos outras duas corridas lá e estamos a fazer bem para melhorar o que é muito bom para o futuro. Na primeira corrida tive uma largada muito boa desde o portão e estava na primeira posição, na segunda corrida fiz uma largada perfeita, mas depois que o Tim me ultrapassou muito rápido e mesmo que eu tentei segui-lo, ele fez bastante um vão. Depois estava a lutar pela segunda posição e o Seewer veio de dentro e caí, depois disso o Paulin e o Tony estavam no meu encalço e consegui na última volta ser 4º na segunda corrida. Ser terceiro na geral é muito bom, mas estou procurando mais na quarta-feira. Estou muito feliz por ter sido terceiro no campeonato porque depois de tudo o que aconteceu comigo no início da temporada é ótimo; de qualquer forma, ainda estamos cobrando e vamos ver como vai ficar

MXGP - Grand Prix Race 1 – Top 10 Classification: 
1. Gautier Paulin (FRA, Yamaha), 36:38.456;
2. Tim Gajser (SLO, Honda), +0:08.713;
3. Jorge Prado (ESP, KTM), +0:19.653;
4. Brian Bogers (NED, KTM), +0:21.723;
5. Jeremy Van Horebeek (BEL, Honda), +0:33.340;
6. Romain Febvre (FRA, Kawasaki), +0:34.647;
7. Arnaud Tonus (SUI, Yamaha), +0:35.438;
8. Jeremy Seewer (SUI, Yamaha), +0:55.038;
9. Jordi Tixier (FRA, KTM), +1:01.292;
10. Brent Van doninck (BEL, Husqvarna), +1:05.035.

MXGP - Grand Prix Race 2 – Top 10 Classification: 
1. Tim Gajser (SLO, Honda), 36:21.474;
2. Romain Febvre (FRA, Kawasaki), +0:12.666;
3. Jeremy Seewer (SUI, Yamaha), +0:13.976;
4. Jorge Prado (ESP, KTM), +0:29.157;
5. Gautier Paulin (FRA, Yamaha), +0:32.265;
6. Antonio Cairoli (ITA, KTM), +0:38.527;
7. Brian Bogers (NED, KTM), +1:14.279;
8. Brent Van doninck (BEL, Husqvarna), +1:15.053;
9. Calvin Vlaanderen (NED, Yamaha), +1:16.036;
10. Jeremy Van Horebeek (BEL, Honda), +1:47.967.

MXGP - GP Top 10 Classification: 
1. Tim Gajser (SLO, HON), 47 points;
2. Gautier Paulin (FRA, YAM), 41 p.;
3. Jorge Prado (ESP, KTM), 38 p.;
4. Romain Febvre (FRA, KAW), 37 p.;
5. Jeremy Seewer (SUI, YAM), 33 p.;
6. Brian Bogers (NED, KTM), 32 p.;
7. Jeremy Van Horebeek (BEL, HON), 27 p.;
8. Brent Van doninck (BEL, HUS), 24 p.;
9. Antonio Cairoli (ITA, KTM), 23 p.;
10. Arnaud Tonus (SUI, YAM), 20 p.

MXGP - World Championship Top 10 Classification: 
1. Tim Gajser (SLO, HON), 488 points;
2. Antonio Cairoli (ITA, KTM), 440 p.;
3. Jorge Prado (ESP, KTM), 429 p.;
4. Jeremy Seewer (SUI, YAM), 429 p.;
5. Romain Febvre (FRA, KAW), 383 p.;
6. Glenn Coldenhoff (NED, GAS), 375 p.;
7. Gautier Paulin (FRA, YAM), 352 p.;
8. Clement Desalle (BEL, KAW), 312 p.;
9. Jeffrey Herlings (NED, KTM), 263 p.;
10. Arminas Jasikonis (LTU, HUS), 248 p.

MXGP - Manufacturers Classification: 
1. KTM, 577 points;
2. Honda, 525 p.;
3. Yamaha, 494 p.;
4. Kawasaki, 452 p.;
5. GASGAS, 399 p.;
6. Husqvarna, 305 p.



A primeira corrida do MX2 foi outra oportunidade para Vialle mostrar suas habilidades quando se trata de largada, já que ele reivindicou mais um Fox Holeshot. Watson e Geerts estavam logo atrás, com Maxime Renaux da Yamaha SM Action MC Migliori J1 Racing, Roan Van De Moosdijk da F&H Kawasaki Racing e Thomas Kjer Olsen da Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing, também ali.

Geerts então caiu da 3ª posição na primeira volta e voltou para baixo na ordem em 8º, o que foi apenas o início de uma corrida difícil para o belga.

Na volta 3, Watson estabeleceu a melhor volta da corrida ao reduzir a diferença para 1,8 segundos, ao começar a perseguir o líder da corrida. Enquanto isso, Geerts conseguiu voltar para a terceira posição e caiu mais uma vez. Vialle cometeu um erro que permitiu a Watson chegar ainda mais perto e na volta 7, o piloto da Yamaha era o novo líder da corrida.

Vialle reduziu então a diferença para apenas 1.646 segundos ao começar a ir atrás de Watson para a vitória, enquanto a dupla tinha uma diferença sólida de 16 segundos para Renaux, que era o terceiro na corrida.

À 9ª volta, os 5 primeiros incluíam Watson, Vialle, Renaux, Olsen e Van de Moosdijk, mas Van de Moosdijk teve problemas ao cair da 5ª posição.

A algumas voltas do fim, Vialle acelerou o ritmo ao dar um último empurrão para obter Watson, a diferença mudou várias vezes nas voltas seguintes, mas foi um erro, que resultou na queda de Vialle na última volta que solidificou a vitória suada de Watson.

Watson foi o vencedor da corrida, com Vialle a manter-se na segunda posição e Renaux a terminar a 6 segundos, em terceiro.

O início da segunda corrida foi mais uma vez dominado por Vialle, que conquistou o seu 16º Fox Holeshot da temporada. Os pilotos de fábrica da Yamaha, Geerts e Watson conseguiram outra largada e estavam lá, correndo com o líder.

Renaux passa então para 3º à frente de Watson, com Van de Moosdijk também a tentar ultrapassá-lo, embora tenha sido uma queda do britânico que o levou a cair para 7º nas primeiras voltas.

Olsen foi então atrás de Renaux para o P3, o que ele conseguiu fazer, já que Geerts afastou a diferença entre ele e Vialle, que era 1.053 na época.

Na volta 5, Geerts era o novo líder da corrida, com Van de Moosdijk a conquistar o 4º lugar a Renaux.

Van de Moosdijk estabeleceu então a volta mais rápida da corrida ao tentar ir atrás de Olsen, que estava alguns segundos à sua frente. Demorou um pouco para ele encontrar uma maneira de superar o dinamarquês, mas na volta 9 ele foi capaz de fazer exatamente isso. Enquanto Watson ia atrás de Beaton e Renaux para voltar ao top 5, o que também teve sucesso.

Faltando 3 voltas para o final da corrida, Geerts liderou com 2.170 segundos, embora Vialle tenha conseguido subir na roda traseira do líder da corrida. Embora depois de uma boa luta, ele não foi capaz de ultrapassar o piloto belga.

No final, Geerts foi o vencedor da corrida na segunda bateria, com Vialle em segundo e Van de Moosdijk em terceiro.

Em termos de pódio, foi Vialle quem subiu ao topo da box pela 6ª vez esta temporada, com Geerts a ocupar o segundo lugar e Watson a regressar à box pela segunda vez este ano, ao terminar em terceiro.

Como está, Vialle continua liderando o campeonato MX2 com uma boa vantagem de 53 pontos, enquanto Renaux e Beaton estão empatados com 407 pontos em terceiro e quarto lugar.



Tom Vialle: “Foi um dia muito bom para mim. Na primeira corrida estava a rodar bem, mas o Ben puxou nas costas e passou por mim. Tentei forçar, mas cometi um pequeno erro e caí pouco antes da última volta, mas mesmo assim terminei bem, pelo menos foi uma boa corrida para mim. Na segunda corrida senti-me muito bem na pista, melhor do que na primeira. Empurrei Jago e no final terminei em segundo. Ganhar a geral aqui é algo muito especial para mim porque há três anos estava a rodar o campeonato europeu aqui e terminei realmente na defesa. Estou muito feliz com isso. Trabalhamos muito com a equipe, Joel, minha família e é muito bom ganhar.


Jago Geerts: “Na primeira corrida cometi dois pequenos erros e foi uma corrida difícil para mim. Minha pilotagem estava boa, mas poderia ter sido melhor. Na segunda corrida fizemos uma grande melhoria; a minha pilotagem estava melhor e também me sentia confortável na pista. Acho que ainda podemos fazer algumas melhorias para quarta-feira e estarei pronto para as próximas corridas. É sempre bom pedalar aqui em Lommel, é meu GP em casa. Este ano tem sido difícil para todos e agora estou ansioso pela próxima corrida aqui em Lommel


Ben Watson: “Nas últimas voltas senti que o Tom estava nas minhas costas, mas tentei não pensar nisso e rodar ao meu estilo. Eu estava me sentindo confortável e pilotando bem. Você sabe que quando você vai para a primeira vitória, você sempre sente alguma pressão e eu preciso me acostumar com isso. Depois de cruzar a linha, fiquei muito feliz não só por mim, mas por todos e pela equipe. Eles ficaram atrás de mim, é muito bom estar no topo novamente. Eu realmente gosto da pista e gosto dela. Muitos caras treinam aqui, mas acho que eles fizeram algumas mudanças com areia diferente porque em comparação com a pista de treinamento ela é diferente e nova para todos, o que é bom ”.

MX2 - Grand Prix Race 1 – Top 10 Classification: 
1. Ben Watson (GBR, Yamaha), 36:16.844;
2. Tom Vialle (FRA, KTM), +0:22.023;
3. Maxime Renaux (FRA, Yamaha), +0:28.203;
4. Jago Geerts (BEL, Yamaha), +0:31.157;
5. Thomas Kjer Olsen (DEN, Husqvarna), +0:42.546;
6. Isak Gifting (SWE, GASGAS), +1:01.154;
7. Jed Beaton (AUS, Husqvarna), +1:18.517;
8. Alvin Östlund (SWE, Honda), +1:26.138;
9. Ruben Fernandez (ESP, Yamaha), +1:28.880;
10. Roan Van De Moosdijk (NED, Kawasaki), +1:31.051;

MX2 - Grand Prix Race 2 – Top 10 Classification: 
1. Jago Geerts (BEL, Yamaha), 36:22.920;
2. Tom Vialle (FRA, KTM), +0:09.511;
3. Roan Van De Moosdijk (NED, Kawasaki), +0:27.551;
4. Thomas Kjer Olsen (DEN, Husqvarna), +0:30.982;
5. Ben Watson (GBR, Yamaha), +0:32.601;
6. Maxime Renaux (FRA, Yamaha), +0:56.536;
7. Jed Beaton (AUS, Husqvarna), +0:58.842;
8. Isak Gifting (SWE, GASGAS), +1:21.322;
9. Nathan Renkens (BEL, KTM), +1:45.424;
10. Ruben Fernandez (ESP, Yamaha), +1:55.624;

MX2 - GP Top 10 Classification: 
1. Tom Vialle (FRA, KTM), 44 points;
2. Jago Geerts (BEL, YAM), 43 p.;
3. Ben Watson (GBR, YAM), 41 p.;
4. Maxime Renaux (FRA, YAM), 35 p.;
5. Thomas Kjer Olsen (DEN, HUS), 34 p.;
6. Roan Van De Moosdijk (NED, KAW), 31 p.;
7. Jed Beaton (AUS, HUS), 28 p.;
8. Isak Gifting (SWE, GAS), 28 p.;
9. Ruben Fernandez (ESP, YAM), 23 p.;
10. Alvin Östlund (SWE, HON), 23 p.

MX2 - World Championship Top 10 Classification: 
1. Tom Vialle (FRA, KTM), 569 points;
2. Jago Geerts (BEL, YAM), 516 p.;
3. Maxime Renaux (FRA, YAM), 407 p.;
4. Jed Beaton (AUS, HUS), 407 p.;
5. Thomas Kjer Olsen (DEN, HUS), 381 p.;
6. Roan Van De Moosdijk (NED, KAW), 357 p.;
7. Ben Watson (GBR, YAM), 355 p.;
8. Conrad Mewse (GBR, KTM), 287 p.;
9. Ruben Fernandez (ESP, YAM), 249 p.;
10. Mathys Boisrame (FRA, KAW), 234 p.

MX2 - Manufacturers Classification: 
1. Yamaha, 585 points;
2. KTM, 585 p.;
3. Husqvarna, 471 p.;
4. Kawasaki, 439 p.;
5. Honda, 294 p.;
​ 6. GASGAS, 199 p.