A temporada do Campeonato Mundial de Motocross 2020 termina na Itália

Escrito em 09/11/2020
Cesar Araujo


PIETRAMURATA (Itália) 8 de novembro de 2020 - As corridas do MXGP de Garda Trentino terminaram durante o dia; isto também concluiu esta intensa temporada do Campeonato Mundial de Motocross 2020 FIM.

Com os campeões sendo decididos uma rodada mais cedo, quando Tim Gajser da equipe HRC conquistou seu quarto título mundial na MXGP e Tom Vialle da Red Bull KTM Factory Racing garantiu seu primeiro campeonato na MX2, isso mudou o foco para quem terminaria a temporada com um medalha ao lado dos dois vencedores.

Após as corridas de hoje, os três primeiros colocados, em cada categoria, foram celebrados no pódio, seguidos pela cerimônia de entrega de medalhas dos três primeiros do campeonato e, por último, mas não menos importante, o momento especial em que Tim Gajser recebeu o incrível troféu MXGP.

O troféu recém-apresentado significa uma tradição inédita no campeonato mundial, homenageando todos os campeões mundiais do passado, presente e futuro da classe MXGP premier. O troféu MXGP está embrulhado com pragas que estão gravadas com os nomes de todos os campeões mundiais de 1957 até agora na classe principal, e nesta temporada Gajser adicionou seu nome pela terceira vez!



As corridas MXGP de hoje viram algumas batalhas muito boas, especialmente entre Gajser e Romain Febvre da Monster Energy Kawasaki Racing, que desafiou os quatro vezes campeões mundiais em ambas as mangas, uma das quais ele venceu.

Gajser terminou a temporada de 2020 com sua 5ª vitória em Grand Prix no MXGP de Garda Trentino, com um resultado de 2-1. A vitória da corrida na segunda bateria, sua 15ª vitória na temporada, deu a ele a vantagem sobre Febvre, pelo degrau mais alto do pódio.

Febvre foi forçado a se contentar com o segundo lugar, após uma bela vitória na corrida de abertura, que o viu perseguir Gajser, antes de ultrapassá-lo na volta 6 e liderar a corrida até o final, para conquistar sua segunda vitória no ano. Então, na segunda corrida, o piloto da Kawasaki trabalhou duro para contornar alguns pilotos antes de alcançar Gajser mais uma vez, embora desta vez ele não tenha conseguido passar pelo stick e acabou diminuindo a diferença para terminar a corrida em segundo.

Foi também um dia especial para Gautier Paulin, da Monster Energy Yamaha Factory Racing, que alinhou para a última corrida MXGP da sua carreira profissional. O francês lutou bem dentro dos 5 primeiros em ambas as mangas e terminou a corrida um em 4º e a segunda em 3ª posição, depois de uma batalha com seus companheiros Jeremy Seewer e Arnaud Tonus. Ele também conquistou o terceiro degrau no pódio, seu segundo pódio nesta temporada, em seu último GP.

Além disso, Clement Desalle da Monster Energy Kawasaki Racing e Tanel Leok da A1M Husqvarna também participaram do MXGP final de suas carreiras, com Desalle quase perdendo um lugar no pódio, pois estava empatado em pontos com Seewer em 5º e Leok terminando 21º no geral.

Com Gajser coroado como campeão mundial na rodada anterior, isso deixou as portas abertas para o segundo e terceiro lugar na classificação do campeonato, que seria decidido entre Seewer e Antonio Cairoli da Red Bull KTM Factory Racing.

Seewer teve uma primeira corrida forte, começando bem entre os 5 primeiros e depois trabalhou duro para passar seu companheiro de equipe, Tonus, para o terceiro lugar. Enquanto Seewer terminou em terceiro, Cairoli ficou em 6º na corrida, o que deu a Seewer uma vantagem de um ponto na corrida dois. Quando o portão caiu para a segunda bateria, Seewer conseguiu outra boa largada e se espremeu na liderança, antes de ser ultrapassado por Gajser, Febvre e eventualmente Paulin.

Cairoli teve um início dramático para a segunda corrida, que o viu empurrado para fora na primeira curva, ao bater na margem, o que causou danos irreparáveis ​​em sua moto e o forçou a sair da corrida, o que significa que ele não poderia lutar pela medalha de prata. Enquanto isso, Seewer teve outra corrida forte para terminar em 4º e se firmar como vice-campeão mundial deste ano, pela segunda temporada consecutiva.

Assim, em termos de pódio, foi Gajser quem saiu vitorioso na rodada final aqui no MXGP de Garda Trentino, enquanto Febvre terminou em segundo e Paulin em terceiro. Enquanto na classificação do campeonato, foi Gajser quem conquistou o título deste ano, sobre Seewer que terminou em segundo pelo segundo ano consecutivo, e Cairoli em terceiro na classificação.



Tim Gajser:Estou muito feliz por ganhar meu quarto título na quarta-feira. Hoje o objetivo era apenas ir lá e se divertir e fizemos isso; vencemos o último geral do ano. Então, não poderia terminar melhor. Estou muito agradecido. Quero agradecer imensamente a todos, a toda a minha equipa, trabalhámos muito e toda a gente se esforçou muito para preparar a moto, para ficar cada vez melhor. O início da temporada, em março, quando fizemos os dois GPs em Valkenswaard e em Matterley Basin, foi bom, mas depois tivemos uma longa pausa e quando voltamos, não estava me sentindo muito bem, estava lutando. Mas agora, nos últimos dois GPs, comecei a encontrar boa velocidade e comecei a montar corridas consistentes e ganhar o título, então estou super feliz e quero dar os parabéns a todos aqui, mas também ao Gautier [Paulin ] para uma carreira incrível, desejando tudo de bom para você no próximo capítulo.

Jeremy Seewer: Foi um ano estranho para nós, começando tão cedo e depois uma grande oportunidade. Mas, Valkenswaard foi realmente horrível, marquei sete pontos e acho que é um dos piores GPs em muitos anos para mim, então foi difícil não correr tanto tempo depois de um GP como aquele, porque você adoraria voltar o no dia seguinte e mostrar diferente. De alguma forma, eu fiz meu dever de casa e montei muitas corridas boas depois disso, tive algumas corridas incríveis na Letônia, ganhei minhas primeiras corridas em Faenza e coisas assim. Definitivamente dei um passo e melhorei. Eu poderia lutar com esses caras. No geral, Tim [Gajser] era o cara, ele juntou as coisas, especialmente nas últimas corridas e ele estava um pouco melhor, mas no geral para mim, estou feliz, consegui o segundo lugar hoje no campeonato, ok, o que eu queria fui o primeiro mas mal posso esperar para voltar ao trabalho e para o ano que vem.

Antonio Cairoli: Estou muito feliz. É mais uma temporada que termino no pódio, minha décima quarta temporada que termino no pódio, então é algo incrível, depois de tantos anos de corrida. Claro, Tim [Gajser] foi muito difícil de vencer este ano, especialmente na última parte da temporada, ele era muito forte. Depois da Letônia, meu joelho estava piorando a cada vez, então eu não conseguia treinar de verdade, então para mim é muito importante e eu perdi um pouco de condicionamento físico e confiança porque quando a pista fica difícil e escorregadia, eu preciso diminuir. No final, estamos todos bem e isso é o mais importante, ok perdemos o segundo lugar mas tentamos olhar para o próximo ano, temos mais uma época para ver o que podemos fazer.

MXGP - Grand Prix Race 1 – Top 10 Classification: 
1. Romain Febvre (FRA, Kawasaki), 33:44.705;
2. Tim Gajser (SLO, Honda), +0:01.946;
3. Jeremy Seewer (SUI, Yamaha), +0:27.592;
4. Gautier Paulin (FRA, Yamaha), +0:29.763;
5. Arnaud Tonus (SUI, Yamaha), +0:36.843;
6. Antonio Cairoli (ITA, KTM), +0:47.636;
7. Clement Desalle (BEL, Kawasaki), +1:00.457;
8. Benoit Paturel (FRA, Honda), +1:08.856;
9. Evgeny Bobryshev (RUS, Husqvarna), +1:11.092;
10. Valentin Guillod (SUI, Honda), +1:12.032.

MXGP - Grand Prix Race 2 – Top 10 Classification: 
1. Tim Gajser (SLO, Honda), 33:53.636;
2. Romain Febvre (FRA, Kawasaki), +0:15.977;
3. Gautier Paulin (FRA, Yamaha), +0:19.364;
4. Jeremy Seewer (SUI, Yamaha), +0:23.276;
5. Brian Bogers (NED, KTM), +0:27.880;
6. Brent Van doninck (BEL, Yamaha), +0:31.674;
7. Clement Desalle (BEL, Kawasaki), +0:39.182;
8. Jordi Tixier (FRA, KTM), +0:47.984;
9. Arnaud Tonus (SUI, Yamaha), +0:58.086;
10. Evgeny Bobryshev (RUS, Husqvarna), +1:00.226.

MXGP - GP Top 10 Classification: 
1. Tim Gajser (SLO, HON), 47 points;
2. Romain Febvre (FRA, KAW), 47 p.;
3. Gautier Paulin (FRA, YAM), 38 p.;
4. Jeremy Seewer (SUI, YAM), 38 p.;
5. Clement Desalle (BEL, KAW), 28 p.;
6. Arnaud Tonus (SUI, YAM), 28 p.;
7. Jordi Tixier (FRA, KTM), 23 p.;
8. Evgeny Bobryshev (RUS, HUS), 23 p.;
9. Brian Bogers (NED, KTM), 16 p.;
10. Brent Van doninck (BEL, YAM), 15 p.

MXGP - World Championship Top 10 Classification: 
1. Tim Gajser (SLO, HON), 720 points;
2. Jeremy Seewer (SUI, YAM), 618 p.;
3. Antonio Cairoli (ITA, KTM), 599 p.;
4. Romain Febvre (FRA, KAW), 572 p.;
5. Gautier Paulin (FRA, YAM), 505 p.;
6. Jorge Prado (ESP, KTM), 476 p.;
7. Clement Desalle (BEL, KAW), 466 p.;
8. Glenn Coldenhoff (NED, GAS), 375 p.;
9. Jeremy Van Horebeek (BEL, HON), 316 p.;
10. Brian Bogers (NED, KTM), 298 p.

MXGP - Manufacturers Classification: 
1. KTM, 764 points;
2. Honda, 757 p.;
3. Yamaha, 690 p.;
4. Kawasaki, 661 p.;
5. GASGAS, 486 p.;
​6. Husqvarna, 383 p.;



A ação da MX2 hoje foi tão emocionante quanto Tom Vialle, da Red Bull KTM Factory Racing, e Ben Watson, da Monster Energy Yamaha Factory Racing, compartilharam uma vitória na categoria.

Watson teve o final perfeito para sua carreira na MX2 com uma segunda vitória geral na temporada de 2020, e sua carreira até agora. Watson terminou a primeira corrida em terceiro, atrás de Maxime Renaux de Vialle e Yamaha SM Action MC Migliori, após algumas batalhas acirradas com a dupla e seu companheiro de equipe Jago Geerts. Na segunda corrida, o britânico fez mais uma boa largada e não perdeu tempo em chegar à liderança, para então dominar todas as voltas depois disso. No entanto, ele sofreu imensa pressão de Geerts, antes de o belga cair fora da corrida. Uma terceira vitória e uma corrida foram suficientes para dar a Watson a vitória da rodada.

Terminando em segundo no pódio ficou o campeão mundial de MX2 deste ano, Vialle, que dominou a corrida de abertura do dia, ao vencer a corrida por uma margem de 6,133 segundos, sobre Renaux e Watson. Durante a segunda corrida, o piloto da KTM lutou para sair da largada e depois teve algumas pequenas quedas para terminar a bateria em 5º, o que ainda era bom o suficiente para 2º na caixa.

Renaux foi o último piloto a subir ao pódio e conseguiu-o pela quinta vez esta temporada. O francês terminou em 2º e 4º na corrida de hoje, o que era exatamente o que precisava para reclamar mais um pódio, bem como a medalha de bronze nesta temporada.

Em termos de campeonato, Vialle conquistou seu título inaugural uma rodada no início do MXGP de Pietramurata e entrou na ação de hoje com o trabalho feito. Embora o título tenha sido decidido cedo, assim como Geerts se confirmando como medalhista de prata também nesta temporada, tudo o que restou foi o terceiro lugar na classificação, que caiu para as corridas de hoje entre Renaux e Jed Beaton da Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing.

Para Geerts o dia não terminou tão bem. Ele largou bem na corrida de abertura e lutou muito com Renaux e Watson, mas não conseguiu avançar e teve de se contentar com o 4º lugar. Na segunda corrida Geerts teve outra boa largada e perseguiu seu companheiro de equipe para a vitória, antes de cometer um erro e cair fora da corrida, obtendo 0 pontos como resultado.

No entanto, Geerts termina a temporada como vice-campeão mundial, com 14 vitórias em corridas, 12 pódios e 6 vitórias gerais em seu nome.

E, claro, com um bom resultado por 2-4, Renaux manteve a medalha de bronze após a corrida de hoje, ao terminar o campeonato 17 pontos à frente de Beaton. E para Beaton, foi uma mistura de um dia. Ele terminou a corrida de abertura na 7ª posição, atrás de nomes como Stephen Rubini da Honda Assomotor e Isak Gifting da DIGA PROCROSS GasGas Factory Juniors. O australiano teve então uma segunda corrida muito mais forte, pois conseguiu encontrar uma forma de ultrapassar Renaux e Gifting para se colocar no terceiro lugar, antes de herdar o segundo, devido à queda de Geerts. Apesar de uma boa segunda corrida, não foi suficiente para o piloto da Husqvarna regressar ao 3º lugar.

Na MX2, foi Watson quem conquistou a vitória geral final da temporada de 2020, com o campeão MX2 deste ano, Vialle, terminando em segundo lugar geral e Renaux subindo ao terceiro degrau do pódio. E que ano foi para Vialle, que garantiu seu primeiro título mundial na categoria, com Geerts terminando como vice-campeão mundial em 2020 e Renaux garantindo uma posição de medalha na classificação, pelo terceiro lugar geral nesta temporada.



Tom Vialle:Foi um dia incrível para mim. Ganhar meu primeiro título mundial foi simplesmente incrível. Os últimos dois dias foram muito bons, gostei muito deles. Na segunda corrida, caí na largada e voltei da última para a quinta. Eu caí de novo duas vezes, eu acho, então eu estava um pouco bravo, esperava por melhores largadas e melhores posições, mas estou feliz por terminar em segundo na geral.

Tentei ser o mais consistente possível. Fizemos muitas corridas na areia, por isso para mim foi muito importante ser consistente todos os fins-de-semana e dei o meu melhor sempre, consegui uma boa largada e rodado como faço nos treinos. Quero muito agradecer a toda a equipa, à minha família, Joel Smets, porque correr com a equipa nos últimos dois anos tem sido fantástico.


Maxime Renaux: Tem sido uma temporada muito boa para mim e para a equipe. Fizemos bons progressos desde o ano passado. Consegui a minha primeira vitória na corrida e no geral em Faenza, foi uma sensação muito boa e depois tentei dar o meu melhor e ser o mais consistente possível, para lutar pelo pódio no campeonato. Então, estou muito feliz por termos conseguido, somos uma equipe forte, então isso também é muito bom, e eles estão muito felizes, então alcançamos o que queríamos e estou muito feliz com isso.


Ben Watson: Foi outro dia incrível. Quer dizer, especialmente nos últimos seis GPs, tenho me sentido bem com a moto como toda a temporada, mas às vezes isso não se reflete nos meus resultados e estou muito feliz por mim, mas também pela equipe e pela Yamaha, porque todas as vezes apoiar cem por cento. Tudo foi colocado na mesa para que eu produzisse esses resultados e às vezes eles não estavam lá e agora, quando estou saindo do MX2, é muito bom reproduzi-lo com algumas vitórias. Para mim, tem sido realmente incrível e estou muito feliz por encontrar essa etapa agora no MX2 e ir para esta pausa, descansar um pouco com uma sensação muito boa. E estou definitivamente muito animado para começar a usar a nova moto agora.

MX2 - Grand Prix Race 1 – Top 10 Classification: 
1. Tom Vialle (FRA, KTM), 34:05.231;
2. Maxime Renaux (FRA, Yamaha), +0:06.133;
3. Ben Watson (GBR, Yamaha), +0:07.118;
4. Jago Geerts (BEL, Yamaha), +0:11.295;
5. Stephen Rubini (FRA, Honda), +0:13.465;
6. Isak Gifting (SWE, GASGAS), +0:14.807;
7. Jed Beaton (AUS, Husqvarna), +0:15.700;
8. Conrad Mewse (GBR, KTM), +0:27.320;
9. Roan Van De Moosdijk (NED, Kawasaki), +0:36.297;
10. Ruben Fernandez (ESP, Yamaha), +0:40.397.

MX2 - Grand Prix Race 2 – Top 10 Classification: 
1. Ben Watson (GBR, Yamaha), 34:17.030;
2. Jed Beaton (AUS, Husqvarna), +0:00.888;
3. Isak Gifting (SWE, GASGAS), +0:14.966;
4. Maxime Renaux (FRA, Yamaha), +0:16.839;
5. Tom Vialle (FRA, KTM), +0:22.542;
6. Thomas Kjer Olsen (DEN, Husqvarna), +0:25.178;
7. Conrad Mewse (GBR, KTM), +0:32.737;
8. Alvin Östlund (SWE, Honda), +0:38.692;
9. Bailey Malkiewicz (AUS, Honda), +0:52.482;
10. Morgan Lesiardo (ITA, Honda), +0:52.753;

MX2 - GP Top 10 Classification: 
1. Ben Watson (GBR, YAM), 45 points;
2. Tom Vialle (FRA, KTM), 41 p.;
3. Maxime Renaux (FRA, YAM), 40 p.;
4. Jed Beaton (AUS, HUS), 36 p.;
5. Isak Gifting (SWE, GAS), 35 p.;
6. Conrad Mewse (GBR, KTM), 27 p.;
7. Thomas Kjer Olsen (DEN, HUS), 23 p.;
8. Alvin Östlund (SWE, HON), 22 p.;
9. Morgan Lesiardo (ITA, HON), 21 p.;
10. Stephen Rubini (FRA, HON), 20 p.

MX2 - World Championship Top 10 Classification: 
1. Tom Vialle (FRA, KTM), 759 points;
2. Jago Geerts (BEL, YAM), 679 p.;
3. Maxime Renaux (FRA, YAM), 581 p.;
4. Jed Beaton (AUS, HUS), 564 p.;
5. Ben Watson (GBR, YAM), 551 p.;
6. Thomas Kjer Olsen (DEN, HUS), 540 p.;
7. Roan Van De Moosdijk (NED, KAW), 466 p.;
8. Conrad Mewse (GBR, KTM), 365 p.;
9. Ruben Fernandez (ESP, YAM), 343 p.;
10. Stephen Rubini (FRA, HON), 279 p.

MX2 - Manufacturers Classification: 
1. Yamaha, 810 points;
2. KTM, 786 p.;
3. Husqvarna, 655 p.;
4. Kawasaki, 561 p.;
5. Honda, 411 p.;
6. GASGAS, 343 p.