Pepê Bueno e Paulo Alberto vencem primeiras baterias da 5ª etapa

Escrito em 28/11/2020
Cesar Araujo


As categorias MX1 e MX2 fizeram uma primeira bateria eletrizante na manhã deste sábado (28), em Apiaí (SP), pela 5ª etapa do BRMX. Em uma disputa entre Yamaha Racing e Honda Racing, os azulzinhos saíram na frente, com a vitória de Paulo Alberto, pela MX1, e Pepê Bueno, pela MX2. A oportunidade de dos adversários se recuperarem vem no início da tarde, as 14h50, quando os corredores entram na pista para correr a Elite MX.

 

Os primeiros a formarem o gate foram os donos da 250 cilindradas, que passaram por um sufoco logo depois de largar. A protagronista da situação foi a primeira curva depois da reta, onde Gabriel Andrigo (KTM), Pedro Magero (KTM) e Frederico Molina (KTM) cairam e se embolaram. Mas lá na frente estava Pepê Bueno, que vem de uma fase boa no campeonato. Ele terminou a corrida com 1m35s534 em sua melhor volta e conquistou a vitória.



O que já estava emocionante, ficou ainda mais na primeira bateria da MX1. Carlos Campano (YAMAHA) passou a prova na frente dos demais, seguido do companheiro de equipe Paulo Alberto (YAMAHA), e de Anthony Rodriguez (HONDA), com uma distancia considerável entre os três... até que duas situações tirararam a tranquilidade da corrida. 

 

Campana teve problema mecânico com a moto e desceu seis posições, terminando a prova em 7. Com isso, a disputa pela vitória ficou entre Paulo e Anthony. O que o venezuelano nao esperava era uma queda na curva aberta da Borilli. Ele nao perdeu a posição, mas abriu distancia do primeiro colocado, que levou a vitória. A melhor volta de Paulo ficou em 1m33s492, contra 1m33s685 de Anthony. Fábio Aparecido (YAMAHA) terminou em terceiro, com 1m33s845 no melhor tempo.

 

Caio Lopes (HQT) foi destaque na largada, mas depois das primeiras curvas perdeu algumas posições e terminou em 9. 

 



Mariana Balbi e Maiara Basso fazem corrida emocionante em Apiaí


Emoção define as provas oficiais realizadas na tarde deste sábado (28), em Apiaí (SP). Na MXF, as meninas deram um show em forma de corrida e levaram o público a viver uma montanha russa de emoções. Tudo isso em busca de pontos válidos pela 2ª etapa do Campeonato Brasileiro de Motocross 2020, que aconteceu em Penha (SC) no mês passado. Lá a categoria feminina teve a prova cancelada devido ao mal tempo na região.

 

No fim, quem subiu no primeiro lugar do pódio foi Mariana Balbi (KTM), pela terceira vez. Mas para chegar até lá, a corredora passou por momentos difíceis. Ela largou na frente junto com Larissa Dalló, que logo perdeu a segunda colocação para Maiara Basso (YAMAHA), que vinha logo atrás. Pouco tempo depois a líder caiu na primeira volta, ficou presa embaixo da moto e, com isso, se tornou a última entre as competidoras.

 

Contudo, ela recuperou posição por posição até ficar lado a lado com Maiara: foi aí que a disputa começou a ficar eletrizante. As duas permaneceram assim por um bom tempo, até que nas últimas voltas Mariana ultrapassou a adversária, abriu distância e atravessou a chegada em primeiro. Sua melhor volta foi em 1m44s129, contra 1m46s423 de Maiara.

 

“Demorei muito para levantar e vim muito de trás, entao foi uma corrida de recuperação. Graças a Deus eu fui rapida, fiz várias ultrapassagens, assumi a liderança e ganhei a corrida. Agora to preparada e pronta para vencer de novo”, diz.


Roosevelt vence 5ª etapa e é novamente campeão brasileiro na MX3



A MX3 é a terceira categoria a definir o campeão do Campeonato Brasileiro de Motocross 2020. Roosevelt Assunção (HONDA SATÉLITE) foi o melhor na pista do Motódromo da Fepasa, em Apiaí (SP), e se consagrou, novamente, como o melhor do ano.

 

Outras categorias também correram e acumularam pontos neste sábado (28), mas fazem a grande final apenas no domingo (29).

O Brasil conheceu na tarde desta sexta-feira (27) os grandes campeões das categorias mais  experientes. A MX4 e MX5 fizeram duas corridas acirradas na pista do Motódromo da Fepasa, em Apiaí (SP), e encerraram o ano. Mesmo com um gate mais "enxuto", os pilotos deram um show em um dos circuitos mais visados da temporada.

 

Na MX4 (+40), o catarinense Richard Bermudez, que não integrava o top três da categoria, passou por uma reviravolta - positiva. Ele venceu a prova, com 1m49s648 em sua melhor volta, e levantou o troféu de campeão. Na MX5 (+50) Fábio Aleixo completou sua melhor volta com 1m53s459, mas nao levantou o troféu. O segundo a chegar, com 1m54s138, Marco Muller, foi quem se consagrou campeao.