Dobradinha: Paulo Alberto é campeão brasileiro na MX1 e na Elite MX

Escrito em 30/11/2020
Cesar Araujo


O 211 da Yamaha Racing, Paulo Alberto, levantou dos troféus na tarde de hoje (29), em Apiaí. Após seis etapas ficando entre os primeiros, o português se consagrou campeão brasileiro de motocross 2020 nas categorias MX1 e ELITE MX. Tudo isso na pista do Motódromo da Fepasa, já elogiada por ele.

 

Em ambas as categorias o piloto chegou em segundo lugar. Na MX1, ele ficou atrás do companheiro de equipe Carlos Campano, que fez a melhor volta. Na Elite MX - segunda bateria das categorias MX1 e MX2 - o vencedor foi Anthony Rodriguez, da Honda Racing. Contudo, o troféu também ficou com o português.

 

“Foi muito trabalho ao longo do ano para conseguir conquistar isso. Tenho que agradecer muito à minha equipe e à minha família que me apoiaram muito”

 

Ele conta os planos é continuar na Yamaha para buscar mais títulos ao lado de Campano.



“Tenho que ficar no Brasil para voltar mais preparado ano que vem”, diz

Anthony venezuelano mais querido das pistas não levantou nenhum troféu, mas se destacou na prova oficial da Elite MX.

O 127 da Honda largou na frente e assim se manteve durante toda a corrida, abrindo longas distâncias em relação aos adversários, principalmente nos minutos finais. “Foi uma corrida muito difícil, dei todo meu coração durante toda a prova.

Muitas coisas aconteceram durante o fim de semana, coisas fora do meu controle.
Os pilotos do Brasil são muito fortes, podem ver que tive que dar tudo que pude para ganhar”, fala.



Vitória emocionante: Mariana Balbi leva 4ª rodada e título do BRMX 2020
 

Mariana Balbi (KTM/ Pró-Tork) é a mais nova campeã brasileira de motocross de 2020: e invicta. A mineirinha venceu a quarta corrida seguida na temporada e levantou a taça na cidade de Apiaí (SP). Seu ano foi finalizado com chave de ouro, pois além da invencibilidade, ela se destacou pelas chamadas “corridas de superação” e pelas distâncias que abria das adversárias. 

 
Sua melhor volta foi feita em 1m50s057, contra 1m51s697 de Maiara Basso e 1m52s080 de Larissa Dalló. A ordem de chegada na pista do Motódromo de Fepasa deste domingo (29) foi a mesma que a de ontem, válida pela 2ª etapa da temporada.
 
Nas duas provas oficias Mariana largou na frente acompanhada de Larissa Dalló, com Maiara Basso (YAMAHA) um pouco atrás. Em ambas a gaúcha assumiu a segunda posição e tentou brigar pela liderança. A diferença entre os dois dias é que na primeira largada, a mineira caiu, ficou para trás e teve que correr para chegar à frente. Hoje, ela se manteve líder em toda a disputa.
 
“Gostaria de agradecer primeiro a Deus, pois acredito que ele que me deu a vitória. Estou muito feliz de voltar a competir, não só pelo título mas por todo o esforço. Mais uma vez calei todo mundo que disse que eu estava velha, gorda, acabada, cachaceira [risos]”, brinca a campeã.
 
Ela ainda dedicou o troféu ao irmão, Jorge Balbi Junior, um dos maiores nomes do motocross brasileiro de todos os tempos, que ficou tetraplégico após se acidentar em 2016, no Arena Cross de Campinas (SP). “Isso é para ele, meu grande aliado. Quero dizer que tudo que ele não pode mais fazer dentro da pista, eu faço por ele”, finaliza. 


Caio Lopes sai atrás mas levanta taça de campeão da Nacional

 

Dentre os destaques da competição está Caio Lopes Fernandes (HQT Racing), que neste ano subiu na 230cc para se consagrar campeão brasileiro. Na prova ele ficou com a segunda colocação, fazendo 1m44s720 na melhor volta, atrás de Vinicius Abreu, que venceu a etapa com 1m43s233.

 

“Eu larguei para brigar pelo título, não pela vitória da corrida. Tive uma largada ruim, vim de trás, mas fiz uma prova cabeça e consegui me recuperar para chegar ao 2º lugar, o suficiente para que eu levasse o título”, diz.