News Indústria

Ricardo Sato - SENSEI SUSPENSIONS

Escrito em 26/04/2018
Mxracing


O praticante de motocross, supermoto, engenheiro mecânico, vendedor, piloto de testes homologado pela HRC e colunista do MX Racing, Ricardo Sato.

Ele tem uma biografia capaz de brigar por um Oscar no Hollywood Awards, Ricardo Sato, mais conhecido como Mi, foi uma das mentes brilhantes da marca japonesa no Brasil.

Você tem uma moto Honda Flex? Então agradeça este cara.

O dia era 20 de agosto de 1971 quando Dona Keiko Murakami Sato deu a luz a um pequeno prodígio, que tinha uma vida cheia de conquistas pela frente. De vendedor à mecânico de carros, motos, bicicletas e até mesmo multi campeão paulista de ginástica olímpica. O currículo é extenso e continua crescendo até hoje.

 

A história toda começou desde que Mi era jovem, com a influência de Masuo Murakami. Para quem não conhece, Masuo, tio de Mi, foi um dos pioneiros do motocross no Brasil, organizando grandes provas do circuito nacional. Tio Mura começou a motivar o sobrinho, na época com 13 anos de idade, a andar de moto em um sitio em Itupeva, SP. À convite de seus companheiros da Honda Japão, o tio de Mi abriu uma oficina, implantando a marca em solo brasileiro. Não demorou muito até Mi mostrar sinais de que teria um futuro brilhante. Em 89, Mi participou do campeonato Honda Racing Show, e sagrou-se campeão da categoria 150 4T competindo com uma XL 150 S Muggen preparada por ninguem menos que Wilson Yasuda.

Sua participação na Honda começou quando Tio Mura abriu a primeira concessionária de carros da marca no Brasil, em 92, onde ficou por 5 anos, passando por quase todos os setores de trabalho desde auxiliar de mecânico à vendedor. Foi então que Mi conheceu Kazuhiko Kobayashi, um grande técnico da Honda no Japão, e resolveu seguir o mesmo caminho e participar dos projetos e engenharias da marca.

Com foco nas competições, entrou para a Honda Racing Brasil em 98 e se aprofundou em desenvolvimentos e preparações de projetos. Mi fez uma viagem ao Japão onde tirou sua Licensa de Pilotagem especial para testes de motocicletas, lhe dando o direito de pilotar e avaliar qualquer moto Honda do mundo, exceto as do MotoGP, onde é liberado apenas para dar umas voltinhas, sem testes mais aprofundados.

Homologado pela HRC, Honda Racing Corporation, Mi participou do desenvolvimento da linha CRF, inclusive no projeto do modelo 450cc com injeção eletrônica, em 2006, assim como também foi a mente brilhante por trás dos amortecedores de guidão que hoje fazem parte da linha off-road da marca. No mesmo ano de 2006, Mi voltou ao Japão para fazer um upgrade na sua licensa, permitindo então testar, além das motos oficiais, os protótipos tanto off-road como on-road. Na sua ida ao país do oriente, Mi foi convocado para o projeto da Honda RN01, uma bicicleta de downhill muito semelhante às motos da linha CRF. O modelo participou das etapas do mundial da modalidade com o sul-africano Greg Minnaar, conquistando o vice-campeonato.

Seu aprendizado em motos não parou por ai, e Mi foi até a Itália para estudar sobre suspensões, onde foi homologado pela Andreani, representante oficial das maiores marcas do mercado, como Öhlins, Showa, Kayaba e etc. O filho de Keiko ainda foi mais a fundo e resolveu dominar a arte das injeções eletronicas, fazendo parte do nascimento dos mapas de injeção junto com a Honda Japão. Mi utilizou seu conhecimento no assunto para desenvolver a primeira moto flex do Brasil. Atualmente, é o responsável pela nacionalização das motos, adequando os modelos para a necessidade dos brasileiros, acertando o posicionamento para os pilotos/usuários, a dirigibilidade, potência do motor, consumo e até a estabilidade das motos para as ruas do nosso país.


Ricardo ‘Mi’ Sato na SENSEI Racing

Com toda essa bagagem, Mi aproveitou para abrir sua própria oficina, a SENSEI RACING, especializada na manutenção, preparação e acerto de motos on/off-road.